Atalho do Facebook

FICAMOS ALEGRES COM SUA VISITA

ESPERAMOS, QUE COM A GRAÇA SANTIFICANTE DO ESPIRITO SANTO, E COM O DERRAMAR DE SEU AMOR, POSSAMOS ATRAVÉS DESTE HUMILDE CANAL SER VEÍCULO DA PALAVRA E DO AMOR DE DEUS, NÃO IMPORTA SE ES GREGO, ROMANO OU JUDEU A NOSSA PEDRA FUNDAMENTAL CHAMA-SE CRISTO JESUS E TODOS SOMOS TIJOLOS PARA EDIFICACÃO DESTA IGREJA QUE FAZ O SEU EXODO PARA O CÉU. PAZ E BEM

AGRADECIMENTO

AGRADECEMOS AOS NOSSOS IRMÃOS E LEITORES, POR MAIS ESTE OBJETIVO ATINGIDO, É A PALAVRA DE CRISTO SEMEADA EM MILHARES DE CORAÇÕES. PAZ E BEM

sábado, 21 de novembro de 2015

Não se deixe empobrecer, enriqueça sua alma com a arte de cantar louvores a Deus.....


Nosso estilo de vida contemporâneo está cada vez mais carregado de atividades. O excesso de informação nos leva a um estágio de acúmulo de informação que nos deixa estressado porque não temos como dar conta de tanta informação no mesmo dia. O telefone toca, as mensagens sinalizam urgência, os e-mails não param de cair na caixa de entrada, as redes sociais sinalizam amigos e informações na nossa página, os alto falantes falam das promoções. Ao final do dia estamos sobrecarregados de tantas informações, e quando sobre um tempinho vago, vamos para frente da TV e mais informação, na realidade uma enxurrada de informações. As propagandas com lugares paradisíacos, com pessoas lindas com corpos esculturais, morando em mansões e se locomovendo com carrões de luxo, se divertindo nas belas casas no condomínio nada tem a ver com nosso cotidiano. O tempo a frete da TV que era para ser lazer promove indignação por não poder comprar e usufruir o que passou nas propagandas. Além da enxurrada de informações, somos todo “santo dia” testados. Nossa paciência é testada diante de mais um relatório, do prazo da faculdade, do dia da fatura que está prestes a vencer. Somos testados ao limite de nosso corpo. Cada vez mais os horários de refeições são menores, e a quantidade de trabalho é aumentada. Temos mais coisas para fazer, somos testados a fazer o trabalho de dois ou três funcionários. Somos testados emocionalmente a todo instantes, seja na indelicadeza no transito, na buzinada do senhor mal humorado, da forma automática como as pessoas nos cumprimentam, seja pela forma como somos tratados apenas a partir do numero do nosso CPF. Nossos sentimentos ficam a flor da pele o dia todo, diante das pressões profissionais, escolares, familiares, pessoais, etc. somos pressionados o tempo todo a sermos os melhores no que fazemos, mas temos pouco tempo para nos refazermos, para descansar, para comer, para dormir, para viver a vida. A vida está tão agitada que a semana passa velozmente e a impressão que dá é que a vida está correndo mais do que outrora. Estamos sendo sugados o tempo todo nessa sociedade capitalista. Quase tudo ao nosso redor é feio, é violento, é corrido, é cinzento. No final de cada dia parece que não tivemos tempo nem de dar um sorriso ou de ver algo lindo. As ruas são cinzentas, o transito é barulhento, as musicas são agitadas e nossos dias vão acumulando frustrações, decepções e correria. Tudo isso vai minando nossa espiritualidade e apagando o desejo de buscar e louvar a Deus. Às vezes, ou todo dia, precisamos de um tempo para parar e desconectar de tudo isso. Um tempo nosso, não um tempo egoísta, mas um tempo para lavar a alma. Não concordo com tudo o que ele disse e fez, mas Picasso disse uma frase sensacional “A arte lava da alma a poeira da vida cotidiana”. Lavar a alma é retirar de dentro de nós tudo aquilo que não agrada a Deus e ter um momento de renovação. Assim como um banho limpa nosso corpo e renova nossas forças, precisamos lavar a alma. Precisamos parar para ouvir a Deus e sermos renovados por Sua doce presença. Nosso cotidiano vai sendo manchado pela poeira das trevas, e se não lavarmos nossa alma, vamos ficando acinzentados e perdemos a nossa função de sermos luz do mundo. A arte embeleza a vida, pois foi criada e doada por Deus, e uma das artes que mais nos aproxima de Deus é a música. Pare. Coloque uma música que fale profundamente com seu ser e adore ao Seu Criador. Dê uma pausa no seu dia e celebre. Lave sua alma e tire o pó de sua existência e saia renovado para enfrentar esse mundo com a luz de Jesus. Assim como você e eu ansiávamos brincar na chuva, se lance na presença do Senhor adorando-O e lave sua alma. Erga sua voz e glorifique a Deus com sua voz, pois afinal de contas foi para isso, que você eu nascemos e fomos criados. Paz e bem

Flor de Cristo...( Deus escolhe as sementes para semear em nosso jardim da vida )


Eu conheço uma Flor de Cristo. Não sei dizer ao certo se ela é uma planta que parece gente ou gente que me lembra planta. Ela é diferente pra explicar: eu sei dizer que tem cor e quando eu a vejo tudo em volta fica mais colorido, e parece que o Sol brilha mais e a paz que eu sinto é uma mistura do que vem do céu com o que brota da terra. Estou falando de oração, de amizade sincera, de presente de Deus. Seja na Igreja, no Monte, ou até em sua casa que tantas vezes me acolheu... nós louvamos ao Senhor e oramos. A vida às vezes tenta enganar que é “esplendorosamente magnífica”, mas na hora da oração, podemos sentir o quanto ela é simples. A vida é simplesmente um jardim. Não há segredos, basta apreciar. Eu também estou plantada. É um erro acreditar que tudo que existe no mundo é apenas o que minha vista alcança. Sim reconheço, há espécies de todo tipo, umas fazem bem para a terra e outras nem tanto. Quanto mais vejo essa diferença, mais sinto que escolhi o jardineiro certo. E então me deixo podar, sei que Ele sabe o tempo certo e a dose certa de todas as coisas; e nada escapa aos seus olhos. Confio totalmente em seus cuidados, sei que Ele tem poder de tirar do meu solo qualquer coisa que possa me fazer mal. Antes de conhecer uma Flor de Cristo de verdade, eu era uma plantinha murcha e sem vida, nem sei como sobrevivi por tanto tempo em terra seca, me contentando com migalhas que caiam ao chão, como se tudo que eu merecesse devesse ser pequeno, e eu era cada dia menor, e tinha cada vez menos espaço. Há Flores de Cristo de formatos variados, tem até Flor de Cristo masculina também! Essa espécie é rara. Não me deixo enganar, não se acha uma Flor de Cristo em qualquer lugar, Deus é que sabe o ponto estratégico onde florescer cada uma delas. Já vi algumas espécies similares, mas não é a mesma coisa. Qualquer um que observa um jardim, refinando o olhar e observando melhor, com cuidado, mesmo que não seja doutor no assunto, percebe nas entrelinhas uma grande diferença. E aprende a admirar ainda mais a beleza que está acima de todas as belezas: a beleza Cristã de uma Flor de Cristo. Sabe, a Flor de Cristo da minha vida chama-se MARIA DE FATIMA MOREIRA e ela minha esposa amada, é um exemplo para mim, um incentivo a florescer para nosso Jesus, nosso jardineiro fiel. Para que ele veja que seu trabalho não foi em vão. Jesus, seu trabalho não é em vão. Esta é uma adaptação do texto abaixo. Paz e bem * Texto escrito em homenagem a minha "mãe na fé" Sebastiana, em 13/06/2011, data em que foi lido durante o encontro anual "Talentos do doador" promovido pelo Hemominas de Juiz de Fora.

A Cruz deveria me bastar.....


É curioso o fato de que a igreja parece ainda não ter entendido com profundidade o valor e a significância que o Antigo Testamento traz para a fé cristã. O ainda imaturo conhecimento de Jesus Cristo como centralidade da fé e prisma para compreensão do maravilhoso projeto divino, que tem como pilar a mensagem da cruz, pode tornar a caminhada insalubre e doentia. Não é raro encontrar alguns ministros do evangelho confusos quanto as ordenanças cívicas, religiosas e morais da lei mosaica compreendidas como padrão antes da chegada de Jesus. Aliado ao desequilíbrio de conhecimento mínimo, em plena era da informação, acentua-se nas igrejas o conhecido movimento judaizante. O movimento judaizante estava crescendo de maneira extremamente sutil dentro das igrejas evangélicas, porém há algum tempo é notável que algumas iniciativas com maiores proporções têm espalhado esse cenário que desestabiliza e coopta aqueles que carecem de mínimo conhecimento bíblico/cristão. Mesmo para quem não conhece o movimento, sua identificação não é esforçosa. Indícios dele são percebidos quando a valorização da cultura judaica (ensinamentos, localização geográfica, utensílios de culto, ordenanças de guardar o sábado e os dias de festa judaica, etc) acabam perdendo o prisma pelo qual deveriam ser interpretados e consequentemente ganham relevância espiritual. Em outras palavras, a percepção do movimento judaizante dentro das igrejas (que deveriam anunciar Jesus) se dá quando este é trocado por liturgias religiosas e instrução civil extraídas esporadicamente do Antigo Testamento. Existe um erro gravíssimo de interpretação bíblica, e falta de conhecimento generalizada - que acaba nutrindo esse movimento, no que diz respeito a Jesus Cristo e sua eficiência no cumprimento da lei instituída por Deus à nação de Israel. Como o apóstolo Paulo insistentemente defende em suas cartas, especialmente nas destinadas aos Hebreus e aos Gálatas, essa imposição da tradição judaica não deve ser entendida como cristã. Quando Paulo escreve aos Gálatas, por exemplo, a situação da igreja é semelhante a encontrada nos dias de hoje. Havia uma intensa proposição, por parte dos judeus, que as leis de Moisés tivessem que ser cumpridas pelos gentios por ser ordenança divina. O que os judeus não entendiam era que, com a vinda de Jesus Cristo, não havia mais geografia ou nação étnica, tampouco práticas religiosas, que devessem ser observadas pelos cristãos. No capítulo 5 da carta que Paulo escreveu aos Gálatas (uma leitura revigorante para entendimento pleno desse texto), Paulo é enfático: “Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão” . Esse capítulo aborda exatamente esse assunto, e de forma inflexível Paulo indica as práticas judaicas como escravatórias. Por que razão então ainda sustentamos ou damos crédito indevido a elas? Jesus Cristo foi o único que cumpriu a Lei, e ele não delegou isso a mais ninguém. Ele se fez carne, se entregou como oferta para expiação de pecados, rompendo de uma vez por todas com a necessidade de tal feito. A cruz nos é suficiente. As leis tinham como função estabelecer um sistema que apontasse para a vinda do Messias, e ele já veio. Ironicamente - e de forma geral - as práticas judaicas não foram suficientes para reconhecê-lo. Mesmo com toda a Lei que preparou o caminho humano para sua vinda, Jesus foi desprezado e traído. Mesmo com o conhecimento da Lei, Jesus foi rejeitado. De forma ainda mais enfática, portanto, não existe qualquer valoração espiritual da Lei – muito menos para fins de salvação ou elevo espiritual. O rompimento que Jesus fez também foi com toda a estruturação nacionalista, étnica, geográfica e litúrgica do culto a Deus. Na concepção cristã não existe mais qualquer diferença entre gentios ou judeus, portanto, não existe também qualquer diferenciação espiritual em termos geográficos. O evangelho nos traz a profundidade imbuída de transformação de mente que rompe qualquer hierarquia ou exclusivismos divinos por este ou aquele grupo, elemento cultual ou vocabulário. A preocupação do cristão deve ser apresentar um culto sincero em espírito e em verdade. Devemos inferir, portanto, a importância do Antigo Testamento a partir do prisma interpretativo de Cristo e seu profundo chamado, e extrair princípios morais que Deus constantemente expõe em toda a sua Palavra. Qualquer externalização ritualística ou a adoção e elementos judaicos que caracterize uma descentralização de Jesus Cristo carece de coerência. Portanto, se Jesus Cristo e sua maravilhosa obra de graça e amor, pelo visto, ainda não é entendida minimamente, sugiro que voltemos ardorosamente ao estudo intenso e profundo de Jesus Cristo, o Filho de Deus, para que não imputemos a nós mesmos fardo doentio e pesado que homem algum, se não o próprio, foi capaz de suportar. Foi para a liberdade que Cristo nos libertou, larguemos de uma vez por todas as algemas que ainda queremos segurar. Paz e bem

terça-feira, 17 de novembro de 2015

A cura e a reconstrução dos corações sofridos vem pela convivência dos corações humanos

Precisamos Rasgar nossos corações.

Toda minha família serve ao Senhor. Uma de minhas filhas se casou com um dos rapazes que se recuperou das drogas em nossa comunidade. Aquele jovem ajustou a vida, organizou a cabeça, voltou aos estudos, namorou minha filha por cinco anos, casaram-se e hoje vão ter um filho. A evangelização concreta exige relações humanas Descobri que a cura é graça de Deus. A evangelização concreta exige relações humanas, tem que ter rosto, nome algo concreto. Existem pessoas libertas através da música, do canto, mas principalmente, quando alguém se dispõe a tocar a carne de Cristo, aproximando-se delas. Alguns de nossas comunidades se perdem nas grandes atividades e encontros e deixam de olhar para o lado para quem tem rosto e nome que precisa da Palavra. Deus está falando com você. A cura e a reconstrução dos corações sofridos vem pela convivência dos corações humanos. Um rapaz que mora em casa, teve a esposa assassinada brutalmente. Quando chegou em casa, veio rebelde, não queria estar ali. Hoje ele perdoou o rapaz que matou a esposa e não quer mais se vingar do assassino de sua esposa e não quer mais se vingar. É uma pena que nossas comunidades tornaram-se impessoais. Eu sei o nome deste rapaz, sei sua história. O que a pessoa fez não diz o que ela é, cada pessoa é filha de Deus feita para amar. Nossas comunidades precisam tocar a carne de Cristo. Se a comunidade Boa Nova não tivesse acolhido pessoas para morarem conosco, já teríamos acabado enquanto comunidade. Não pense que vamos acabar se reunirmos pessoas conosco. Não desisto porque lembro de rostos e nomes Quando penso em desistir aparece na minha cabeça rosto e nomes, meu coração está cheio de pessoas e por elas não tenho o direito de voltar atrás. Para minha comunidade a parábola do Samaritano é muito concreta, a partir dela não quero saber quem é meu próximo, quero saber de quem preciso me aproximar para me tornar próximo. Padre Jonas disse que precisamos ser comunidades doces, tenho uma imagem em casa que nos lembra isso, é a rapadura, ela é doce e dura. A rapadura tem firmeza sem perder a doçura. Papa Francisco tem questionado sobre as famílias que fazem as refeições com celular ou assistindo TV, ele disse que isto não é família, mas pensionato. Não acredito que com tudo o que precisamos fazer encontremos tempo para assistir novela, só tem tempo quem não está fazendo o que precisa. Muitas pessoas não querem relacionamentos humanos, mas preferem os monitores porque quando está chato desligam. Papa Francisco na Evangeli Gaudium diz que precisamos ter a mística de vivermos juntos. Quando eu vejo as novas comunidades fazendo um bem tão grande sei que elas fizeram um itinerário com Jesus. Os membros mais fracos são os mais necessários Os membros mais fracos são os mais necessários, os mais indecentes a gente os cobre. Um dos filhos de Noé se deu mal porque descobriu a nudez do pai, o expôs e tomou uma repreensão muito séria. Dons carismáticos, eclesialidade, caridade e não buscar os próprios interesses, muitos de nós precisamos entender que há um caminho, não podemos parar no começo, tem muito mais, até que Cristo seja tudo em todos. Tenho impressão que a estratégia de Deus é nos amar, até que nos amemos e assim o amemos nos outros. Precisamos amar e ser aquilo que Deus quer, mas sozinho não! Infeliz de quem quer se isolar. Geralmente o isolamento revela orgulho, soberba muito alta. Precisamos uns dos outros. Ainda na Evangelli Gaudium o Papa diz que a verdadeira cura está no modo de nos relacionarmos uns aos outros, que em vez de nos adoecer nos cura. As pessoas que fogem do contato, do corpo a corpo, buscam o mais fácil estes adoecem. Quantos de nós fugindo da vida comunitária, das conversas. O Papa disse que a verdadeira cura está na comunidade que sabe reconhecer Deus no outro, não deixe que nos roubem a comunidade. Eu não quero perder a minha comunidade, portanto, não fuja dos conflitos e enfrente-os como Cristãos. Para reconstruir os corações sofridos exige contato Quero concluir com um ensinamento muito prático, a parábola da misericórdia em Lucas 15. A crítica a Jesus foi que Ele comia e bebia com pessoa de vida ruim, mas saiba que são essas pessoas que nos fazem crescer em espiritualidade. Existem pessoas precisando de misericórdia, e esta consiste em trazer de volta o valor àquele que não se acha mais valioso. Se Deus não valorizasse suas ovelhas, ele não iria atrás daquela uma que se perdeu. Poderia até pensar que tinha 99 porque ia atrás de uma que se perdeu? No tempo de Jesus as ovelhas não eram número, tinham nome. Todas as vezes que queremos eliminar problemas, eliminamos pessoas Todas as vezes que queremos eliminar problemas, eliminamos pessoas. Se desejamos que pessoas saiam da comunidade é porque nosso pastoreio está muito ruim. Enquanto as pessoas que estão a nosso redor não se sentirem amadas, não serão curadas em nossos corações. A comunidade não são as estruturas, mas as pessoas. É triste quando alguém vai embora da comunidade e as pessoas não choram por isso. Outra Parábola que quero contar e esta mostra a figura feminina, a mulher que tinha 10 moedas e uma se perdeu, essa mulher representa a Igreja, as novas comunidades. Esta mulher perdeu a moeda, para isto acendeu a luz, arrastou os móveis e varreu até achar, assim são as pessoas de nossa comunidade, elas tem valor precisamos encontrá-las. A moeda não se perde, alguém a faz perder e precisamos ir em busca até achar, mesmo que esteja escondida. Não importa se você está como ovelha ou moeda, o importante é que é filho de Deus e sempre a teremos que encontrá-la novamente. As vezes, temos mais olhos para os de fora que para os de dentro, somos uma igreja em saída, mas saímos juntos como família, comunidade. Quero pedir que Deus cure o seu coração, pricipalmente, aqueles que são ovelhas ou moedas perdidas. Que você tenha uma nova experiência com Deus que, se você saiu, Ele deixou a porta aberta. Transcrição e adaptação: Rogéria Nair Hamilton Apolônio Hamilton Apolônio Comunidade Boa Nova

Seja como Priscila e Maria



Deus colocou Paulo na casa de Áquila e Priscila para ela ser educadora do temperamento de Paulo Vou falar de carismáticos, porque todos os primeiros cristãos eram carismáticos e viviam em comunidade. Tenho me entusiasmado com a figura de Áquila e Priscila que são citados várias vezes nos Atos dos Apóstolos e nas cartas de São Paulo. “Todavia, alguns homens aderiram a ele e creram: entre eles, Dionísio, o areopagita, e uma mulher chamada Dâmaris; e com eles ainda outros”. (Atos 17, 33 – 34) Dionísio era responsável pelo areópago, este local era onde as grandes pessoas vinham falar e o responsável por isto era Dionísio, o qual depois da pregação de Paulo foi convertido. Tudo isto porque a Palavra de Deus é semente. ” Depois disso, saindo de Atenas, Paulo dirigiu-se a Corinto. Encontrou ali um judeu chamado Áquila, natural do Ponto, e sua mulher Priscila. Eles pouco antes haviam chegado da Itália, por Cláudio ter decretado que todos os judeus saíssem de Roma. Paulo uniu-se a eles. Como exercessem o mesmo ofício, morava e trabalhava com eles. (Eram fabricantes de tendas.) Todos os sábados ele falava na sinagoga e procurava convencer os judeus e os gregos.” (Atos dos Apóstolos 18, 1-4) Judeu era comerciante e o local de comércio era Roma, por causa do decreto muitos foram deportados. Paulo uniu-se a eles. Na verdade, foi morar na casa de Áquila e Priscila, frequentemente aquele povo morava em Tendas, mas era a casa deles, tudo arrumadinho, tudo certo. Paulo foi morar com eles, porque também eram Cristãos. Poderia ser um transtorno alguém como Paulo e com o temperamento dele vir morar com os dois, mas não foi, porque Paulo era um homem cheio do Espírito. Eles exerciam o mesmo ofício, fabricantes de tendas, o que dava trabalho e dinheiro. Todos os sábados falavam na Sinagoga e procuravam convencer os Judeus. Paulo pregava com veemência e autoridade, era cheio de poder e sabedoria, pois conhecia toda ciência bíblica dos Judeus, sabia argumentar e muitos se convertiam e voltavam-se para Deus. Paulo teve o maior fracasso de sua vida em Atenas, por isso chegou tímido, amedrontado em Corinto. Imagine Paulo pregando com timidez, o imagine pregando. E Deus fala a ele: “Não temas, fala e não te cales, porque eu estou contigo. Ninguém se aproximará de ti para lhe fazer mal, pois tenho um povo numeroso para ti nesta cidade”. Em sua cidade também há um povo numeroso, mesmo que seja uma cidade pequena. Veja quanto trabalho em sua cidade. Todas as pessoas lá são de Jesus? Não. Ele quer que evangelizemos em comunidade, este é o segredo. Paulo estava temeroso, Deus mandou que ele falasse e não se calasse, disse ainda que ninguém se aproximaria dele para fazer-lhe mal. Não basta ser convertido precisa trabalhar o temperamento Paulo foi convertido, mas o temperamento era o mesmo. Não basta ser convertido, temperamento é temperamento e precisa ser trabalhado. A conversão é como um enxerto. Enxerta-se laranja, tangerina em um limoeiro bravo, e dão laranjas boas e doces, mas com o tempo começa azedar, azedar. Assim somos nós, precisamos ser educados em nosso temperamento e muito mais. Que bonito! Deus colocou Paulo na casa de Áquila e Priscila para ela ser educadora do temperamento de Paulo. Priscila gastava tempo, maternidade, delicadeza, paciência para educar Paulo. Tanto assim que as últimas cartas de Paulo são totalmente diferente das primeiras. Aquele temperamento fogoso, rebelde que ele tinha não era mais assim. Mesmo que não haja Priscila em sua comunidade, há Maria que é a Priscila, das Priscilas de nossas comunidades, ela está aí para educar a cada um. Somos limoeiros bravos que foram enxertados laranjas doces, mas precisamos nos deixar transformar. Rezem peçam coisas concretas, rezem pelo gênio das pessoas. Vemos, muitas vezes, comunidades azedas, precisamos ser educados em nossas comunidades, não podemos ser ácidos, mas doces. O segredo é amar “Ao contrário, o fruto do Espírito é caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança. Contra estas coisas não há lei.” (Gálatas 5, 22) A graviola é feita de vários frutos, cada gominho dentro da graviola é um fruto. É assim também com o Espírito, o amor é o total, daí vem vários frutos que formam um fruto só que é o amor. Nossas comunidades precisam ser amor, se não há amor, não há comunidade. Poderia se confundir que estamos juntos para pregar, cantar, tocar, mas não é isto. Para que haja comunidade, a primeira coisa é preciso que haja amor, do contrário é aparência de comunidade. Jesus é enfático: “Amem uns aos outros”, não é possível divisões, indiferenças, nariz virado para o irmão. Se você está com dificuldade, desculpe, se vire! Mas se você não é capaz de amar, saia da comunidade. Claro que este amor é suado, custa, mas é possível amar. Se você não ama, e não quer amar saia da comunidade. Se você fica uma hora inteira orando e não ama, fique 5 minutos orando e o resto amando. Exercite-se em amar, peça amor, exercite-se no perdão, em desculpar e deixar que as pessoas sejam elas mesmas. O segredo é amar! Peregrinos participam do acampamento para as Novas Comunidades em São Paulo – Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com Seja palhaço para provocar alegria nos outros É preciso que haja alegria, sem ela falta o óleo que lubrifica e faz a comunidade andar. Seja palhaço para provocar alegria nos outros, mas que haja alegria. O fruto do Espírito é paz. É preciso que reine a paz, nada de rivalidade, nada de brigas. É preciso paciência para viver tudo isto. “Nada te perturbe, nada te amedronte, tudo passa, a paciência tudo alcança. A quem tem Deus nada falta, só Deus basta”. A quem tem Deus nada falta, só Deus basta. Por isto, você precisa ter muito Jesus, não basta apenas seu primeiro encontro pessoal, ele foi importante, mas é preciso todos os dias. Há pessoas que nos causam impaciência que para passar pela ‘goela’ só Deus, mas aguente firme! A quem tem Deus nada falta, só Deus basta. Esta letra é de Santa Tereza que foi reformadora do carmelo e não foi fácil, o quanto ela e São João da Cruz sofreram. Imagine quanto foi necessário ter paciência. A quem tem Deus nada falta, só Deus basta. Ele vai ajudá-lo ter paciência. A palavra paciência vem do latim patere, que significa padecer. Mas é preciso que haja paciência para existir comunidade. Na comunidade as pessoas precisam ser boas, pois a bondade é um fruto do Espírito. Você também, não se exclua, você precisa ser transformar pelo Espírito de Deus. Lealdade é outro fruto do Espírito, nada de fingimento, nada de escondimento, que haja sinceridade. Se não há isso a comunidade não funciona. Precisamos também aprender a sermos moderados. Por fim, o fruto do Espírito Santo é o domínio próprio. Precisamos aprender a nos dominarmos, que Deus nos dê freios, pois precisamos de domínio próprio. São os frutos do Espirito que precisamo dominar nossa vida. A murmuração é uma desgraça Uma desgraça para qualquer comunidade é a murmuração. Mas infelizmente, acontece. Muitas vezes ela se passa de maneira piedosa: “Vamos orar pelo coordenador por isso, isso, isso”; a murmuração é tóxica, destrói. Os elementos tóxicos, corroem o metal, por exemplo. A murmuração é assim, pior quando ela se torna contestação. Acontece algo na comunidade a pessoa contesta, e pior que tem bons argumentos. Na sua comunidade há contestadores? Essa é uma desgraça. Nossas comunidades precisam banir os contestadores. Fora com os contestadores e murmuradores, pois eles corroem com a comunidade. Podem ter muitas qualidades, cantam, tocam e pregam muito bem, e pior que pregam bem, mas minam a comunidade e acabam estragando tudo. Em nossas comunidades é preciso que impere, o que na Canção Nova chamamos de sadia convivência, uma boa castidade em que mulheres e homens, casados ou solteiros, leigos e padres vivem em sadia convivência. Se outras coisas chamei de desgraça, isto chamo de uma jóia preciosa. Cultive em sua comunidade a castidade nos pensamentos, palavras, gestos, a castidade sempre. O bonito é que isso ajuda muito a conviver. Não brinque com isso de maneira nenhuma. Em sua comunidade assiste-se novelas? É a pior desgraça contra a sadia convivência. Pensa-se que não tem haver conosco, que são os artistas quem vivem, mas saiba que água mole em pedra dura tanto bate até que fura. Zero de tolerância para a novela. Os artistas que produzem e fazem os textos são muito bons. E tudo foi feito para ser atraente, para prender a atenção, portanto, zero para as novelas. Não tenham receio de ver os irmãos vendo novelas irem lá e desligar. “A começar em mim quebra corações para que sejamos todos um como Tu és em nós”. Se você é um noveleiro, uma noveleira que comece em você para deixar a novela, peça a Deus que o faça novo, que ele mude sua mente, seu coração e você deixe totalmente esse hábito. Um apelo às mulheres Um apelo muito veemente às mulheres de sua comunidade, vou passar um legado a você. Seja Priscila na sua comunidade e em sua casa. Tenho certeza que você tem Paulo, Saulo em sua casa e comunidade, então mais que Priscila seja Maria. Deixe que Nossa Senhora tome conta de você e que ela faça de você uma Priscila, uma Maria. Tem seu marido, seus filhos, os membros de sua comunidade. Se é preciso, deixe-se transformar numa mulher nova, para você ter uma família nova, realmente nova, uma comunidade nova. A Palavra final é esta: uma comunidade nova, realmente nova. Temos o título de novas comunidades, então precisamos ser realmente novas, renovadas, o que não é um título por ser da renovação. Precisamos sermos pessoas novas, realmente novas. Transcrição e adaptação: Rogéria Nair Por: Padre Jonas Abib.