Atalho do Facebook

FICAMOS ALEGRES COM SUA VISITA

ESPERAMOS, QUE COM A GRAÇA SANTIFICANTE DO ESPIRITO SANTO, E COM O DERRAMAR DE SEU AMOR, POSSAMOS ATRAVÉS DESTE HUMILDE CANAL SER VEÍCULO DA PALAVRA E DO AMOR DE DEUS, NÃO IMPORTA SE ES GREGO, ROMANO OU JUDEU A NOSSA PEDRA FUNDAMENTAL CHAMA-SE CRISTO JESUS E TODOS SOMOS TIJOLOS PARA EDIFICACÃO DESTA IGREJA QUE FAZ O SEU EXODO PARA O CÉU. PAZ E BEM

AGRADECIMENTO

AGRADECEMOS AOS NOSSOS IRMÃOS E LEITORES, POR MAIS ESTE OBJETIVO ATINGIDO, É A PALAVRA DE CRISTO SEMEADA EM MILHARES DE CORAÇÕES. PAZ E BEM

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

O que fazer ?


Talvez, você já tenha tido alguns dos pensamentos do tipo: “Vou desistir do meu casamento, não vale a pena continuar”; “Vou desistir do curso que estou fazendo, não serei capaz de concluí-lo”; Vou desistir da igreja, ela não vai melhorar nunca”; Vou desistir da minha família, já fiz tudo que tinha que fazer por ela”; Vou desistir de lutar por uma sociedade melhor, ninguém mais se importa com isso”; Vou desistir de amar as pessoas, elas são ingratas e hipócritas”; Vou desistir de ler a Bíblia, ela é muito difícil de ser compreendida”; “Vou desistir de orar pelas autoridades, elas fazem tudo errado”; “Vou desistir de manter um namoro que vê o sexo como bênção no casamento, afinal a maioria ao meu redor mantém relações sexuais sem qualquer compromisso conjugal”; “Vou desistir de minha dieta, afinal a morte vem para todos”; “Vou desistir de minhas caminhadas, não ajudam a ganhar dinheiro”; “Vou desistir do Brasil, vou para os Estados Unidos”; “Vou desistir de cumprir normas tributárias, já não suporto mais tanto desperdício com a verba pública”; “Vou desistir de crer que um milagre possa ocorrer, o médico já disse que a doença não tem cura”; “Vou desistir de economizar, é impossível vencer os ídolos do consumo” etc. É verdade que há situações na vida em que precisamos mudar de direção e desistir do que está causando nossa destruição ou adoecimento da alma. Mas, também é verdade que a desistência de alvos justos e nobres pode nos levar a enterrar prematuramente o que poderia vir a ser uma conquista extraordinária num futuro breve ou distante. Nesse sentido, imagine se o homem tivesse desistido de pesquisar e de elaborar e produzir vacinas para combater doenças. Pense na quantidade de contaminações que haveria se o homem tivesse desistido de inventar sistemas de tratamento de água que facilitassem o uso adequado da mesma. Considere a tragédia que seria se o homem tivesse desistido de combater ideologias monstruosas e governos e dirigentes infernais. Pare para refletir quão pouco encantamento e graça teria a vida se os santos e profetas tivessem desistido de fazer diferença no mundo, se os poetas tivessem desistido de escrever suas poesias e os compositores suas músicas. Cogite a situação que teríamos hoje que enfrentar se o homem tivesse desistido de sonhar alto, se o pai de Rafaela Silva e seus professores de judô tivessem desistido dela, e se ela, atualmente campeã mundial no esporte que pratica, tivesse desistido de lutar pelas tolices que ouviu quando não foi vitoriosa nas Olimpíadas de 2012. Caríssimo(a), se Jesus, o Deus que se fez gente, não desistiu de buscar o perdido, nem de amar os excluídos. Se Ele, em figura humana, não desistiu de dar sua própria vida em favor da nossa, temos razões de sobra para não desistir diante das lutas ou decepções, mas, sim, a oportunidade de prosseguir e conquistar, unidos a Ele, o que parecia impossível de ser conquistado. Por isso, prossiga seguindo os passos do Cristo vencedor, por meio de quem somos mais do que vencedores! Paz e bem

A espera. ( Deus nunca deixa de chegar )


Ao começar a escrever, não consigo deixar de colocar minhas próprias indagações e questionamentos quanto ao momento no qual me encontro. Não seria diferente agora, onde a “dor” da espera toma o meu ser, e faz com que eu perceba minha fragilidade e impotência diante das adversidades da vida. Esperamos muitas vezes por uma resposta, um milagre. Chegamos ao ponto de crer que tudo acabou e que agora é o fim, mas o fim de quê, na verdade? Somos tomados e enredados nas situações que perdemos a noção, o equilíbrio e a certeza do olhar atento do “Aba Pai”. Com certeza, você já enfrentou uma situação onde se viu sem saída, sem saber para onde ir, e pensou: “onde está Deus? Será que Ele se esqueceu de mim? Não estaria ele tão distante ao ponto de escutar meu clamor, e perceber meu desespero?”. É engraçado como nos esquecemos dos livramentos diários, por vezes imperceptíveis, das alegrias vividas, das pessoas que estão ao nosso lado. Achamos que nossa caminhada é solitária. Esperar é um exercício difícil. Vivenciar esse tempo nos exige exercitar nossa fé, nos desarmarmos e, por fim, nos entregarmos. Parece fácil não é mesmo? Como eu queria que fosse… Permitir expor nossa situação é o “start” que todos precisamos para recobrar a lucidez, perceber que a vida não acabou e continuar a caminhada. Em algum momento isso tudo vai passar e, após o vendaval, nos restará a convicção de que o sofrimento nos amadureceu, fortaleceu e mostrou que Deus sempre esteve perto, velando por nós. Enfrente esse seu momento, não tente se esconder, fingir que nada está acontecendo. Faça aquilo que só você pode fazer e nunca se esqueça de agradecer pelo fato de poder esperar, pois a revelação da parte de Deus para mim e para você chegará no momento certo. O relógio de Deus nunca informa a hora errada. ________ Jeverton “Magrão” Ledo é missionário e capelão escolar.

Pessoas no Trabalho: Preparando-se para Ser a Igreja Global ( É muito importante ler )


“Observação do Editor: Este documento Avançando Cape Town 2010 foi escrito por Willy Kotiuga para dar um panorama geral do tópico a ser discutido na Sessão Multiplex sobre “Preparando Seu Local de Trabalho para a Jornada de Fé”. Resumo Um dos maiores grupos de pessoas ”não-ativadas” em todas as nações e continentes são aqueles presentes no local de trabalho, lugar onde a maioria da população do mundo está ativamente engajada no ganho do seu salário para sustentar suas famílias. Dentro de todos os segmentos do local de trabalho, há crentes que têm um relacionamento pessoal com Deus. Alguns são extremamente eficazes para convidar pessoas com quem trabalham para juntar-se à sua jornada; enquanto outros, o trabalho é um lugar onde a fé deles molda suas atitudes, mas não muito. Os campos estão maduros e prontos para a colheita, e no local de trabalho há muitos trabalhadores, mas apenas uma pequena porcentagem está inteiramente engajada na proclamação da esperança para um mundo em busca de esperança. Embora exista pouca discordância sobre a teologia de ser sal e luz onde somos plantados, a realidade é que não temos a paixão para viver nossa responsabilidade de declarar Jesus Cristo como Salvador. Neste documento, exploramos a questão de onde estamos hoje, destacamos vários exemplos de progressos evidentes do ministério no local de trabalho, e enfocamos as barreiras que existem para não estarmos onde Deus quer que estejamos, a fim de que haja um desenvolvimento sustentável que capacite os crentes a fazer o que Deus os chamou para fazer no local de trabalho. 1. O Contexto (Base Bíblica) Somos chamados para ir a todo mundo, e isso inclui o mundo no qual Deus nos colocou. Não importa até onde vá nossa esfera de influência, devemos ser sal e luz visível neste mundo. Este chamado não faz distinção entre trabalhadores, profissionais liberais, cristãos em igrejas ou agências cristãs, ou aqueles que têm ocupações comuns. O próprio Jesus exerceu Sua vocação como carpinteiro até chegar a hora de viver dez por cento da Sua vida trabalhando em tempo integral para anunciar o Reino às massas. Na Bíblia, vários exemplos de heróis mostram como a fé era parte integral na condução de seus negócios no local de trabalho. O elemento comum em todas as histórias é que a jornada de fé e a profissional eram uma só. Fé e trabalho funcionando em mutualidade e interdependência, sem diferença entre trabalho e espiritualidade, uma vez que eles viviam sua fé 24 horas por dias, sete dias por semana (24/7). A fé de José o sustentou durante as quatro diferentes funções que exerceu (negócios da família, gerente doméstico, administrador de presídio e do serviço público), e também foi um elemento chave para sua ascenção em cada posição que ocupou. Paulo usou sua habilidade como fazedor de tendas para seu sustento missionário e como um meio de alcançar um público que não se dava ao luxo de participar de discussões públicas sobre assuntos relacionados à fé. Daniel atingiu a mais alta hierarquia possível do seu tempo por causa da sabedoria que Deus lhe deu e do seu compromisso firme com os princípios de Deus, mesmo colocando sua própria vida em risco. Todos os aspectos do trabalho destes homens eram ofertas de excelência para Deus. 2. Nossa Situação Atual Os exemplos bíblicos têm inspirado a criação de várias organizações de alcance diversificado em comunidades em todo o mundo. A habilidade de fazer tentas de Paulo inspirou uma geração de fazedores de tenda que usaram suas habilidades profissionais como ponto de entrada em culturas que normalmente estariam fechadas para o trabalho missionário “formal”. O movimento Business as Mission (BAM – Negócios como Missão) deu um passo à frente ao estimular e preparar empresários para estabelecer negócios legítimos e autossustentáveis em todo o mundo. Estes negócios são exemplos vivos do trabalho de Deus através de indivíduos determinados a viver o Evangelho usando as habilidades dadas por Deus. Em todo o mundo, homens e mulheres de fé, usando a criatividade e meios vários, têm levado a igreja aos seus locais de trabalho. Existem Estudos Bíblicos que acontecem em locais de trabalho em pequenas empresas e em grandes corporações. Estes estudos são fontes de encorajamento para os que deles participam, e também um lembrete de que viver a fé é uma responsabilidade 24/7 que se estende além dos limites das congregações locais. Muitos destes Estudos Bíblicos foram a porta de entrada para trabalhadores que buscavam a Deus e que O encontraram quando descobriram a importância da fé no dia a dia. Grupos ou sociedades cristãos com base profissional reúnem pessoas da mesma categoria para serem fonte de encorajamento mútuo e para explorarem os usos efetivos de suas experiências profissionais na construção do Reino de Deus aqui na Terra. Mas, nem sempre é possível viver a fé alinhada à profissão. Vivemos um paradigma secular-sagrado que separa a Igreja do que acontece no local de trabalho. Neste paradigma, a fé é expressa principalmente dentro das paredes da igreja, ou em igrejas formais e funções organizadas, mas a mesma fé não se estende necessariamente para o local de trabalho, onde os indivíduos passam 40 horas por semana, ombro a ombro com pessoas que vivem em mundos desconhecedores do Evangelho. Existem muitos “trabalhadores da seara” em local de trabalho que não vivem todo seu potencial na divulgação das Boas Novas. Viver a fé vai além de ser bom exemplo no trabalho. O chamado para fazer discípulos clama para que vivamos a fé deliberadamente, convidando outras pessoas para se unirem a nós, na nossa jornada cristã. A desconexão entre teologia e práxis tem deixado muita gente com o chamado “incompleto”. Trabalhamos porque fomos designados e instruídos por Deus para obedecer ao Seu mandamento original e para declarar as Boas Novas. 3. Sérias Questões O que aconteceu para nos tornamos tão ineficientes em alcançar bilhões de pessoas que trabalham conosco, que temos um relacionamento pessoal e vivo com Deus? Em ambientes profissionais no Mundo Ocidental, cada vez mais multiétnico, penetrar no local de trabalho representa uma oportunidade sem precedentes para entrar na vida de pessoas de todas as nações do mundo. Na igreja, fomos ensinados a ir por todo o mundo e, mesmo assim, a igreja é ineficiente na preparação de crentes, no fornecimento de ferramentas e entendimento de como Deus vê o local de trabalho. A maneira como nós vemos o trabalho influencia a maneira como agimos nele. Você vê o trabalho como um mal necessário ou como uma incrível oportunidade? Se o vê como um mal necessário, qualquer coisa relacionada a ele será vista como menos santa. A fé e o ensinamento que recebemos na igreja moldam nossas atitudes e valores. Mas, infelizmente, numa sociedade cada vez mais pluralista, ser “bonzinho” não é o suficiente. Nós conhecemos o coração dos nossos colegas de trabalho? Será que vemos nossos colegas de trabalho da mesma maneira que Jesus os vê? A sua paixão na igreja alcança sua responsabilidade de convidar pessoas do trabalho para se unirem à sua jornada de fé? O compromisso de nos reunirmos em nossas congregações estende-se ao amor prático pelos nossos colegas e clientes, enquanto nos espalhamos como povo de Deus? Muito da importância estratégica do local de trabalho flui da realidade de que estamos constantemente rodeados de colegas, concorrentes, clientes e consumidores. Diariamente, a maioria de nós tem se engajado em uma conversa com algum incrédulo. Ensinamento, treinamento e ferramentas são necessários, mas não são suficientes para produzir a colheita que esperamos. Nosso entendimento e nosso coração têm que estar abertos para ver o “secular” como algo que Deus deseja tornar santo. Cada um de nós tem a responsabilidade de fazer isso acontecer, não através da nossa força, mas através do poder do Espírito Santo. Não podemos fazer isso sozinhos, mas podemos fazê-lo em parceria com Deus. Um entendimento sadio de como trabalhar em parceira com Deus no local de trabalho tem um grande efeito para levar a Igreja até ele. 4. Onde Queremos Estar Num ambiente de trabalho sagrado, existe uma proclamação vibrante de fé alimentada pelo movimento do Espírito Santo. Todos são sustentados pelas orações revigorantes, dinâmicas e alimentadoras da igreja local. O local de trabalho é um dos poucos ambientes nos quais os crentes têm acesso a uma audiência durante 48 horas por semana. O local de trabalho é ideal para incorporar o Evangelho de forma que reflita graça e verdade. Existem poucos locais evangelísticos onde isso seria possível. Repensar em como nos relacionamos com a igreja tornou-se uma “frase chavão”. Mas, grande parte dos esforços têm sido dirigidos para melhorar o desenvolvimento de programas já existentes, sem tocar em questões fundamentais que abririam portas para ver Deus de maneira poderosa. Existem histórias incríveis de como Deus tem se movido nas igrejas abertas para repensar as Boas Novas. Repensar a preparação de pessoas que vivem e proclamam sua fé no trabalho ajudaria a mudarmos de estarmos simplesmente no trabalho, para vivermos nossa fé no trabalho. Devidamente preparados com a visão holística de Deus sobre o local de trabalho, os trabalhadores da seara irão se tornar supermotivados. O envolvimento completo do mundo acontecerá quando os trabalhores estiverem completamente envolvidos onde exercer seus ofícios. Entretanto, este envolvimento completo dos trabalhadores da seara no local de trabalho vai exigir uma mudança da mentalidade na igreja para aceitar os trabalhadores como servos de Cristo em tempo integral. A distinção e a consequente parcialidade existente entre os trabalhadores cristãos em tempo integral, assalariados e laicos, tem de desaparecer com o entendimento do chamado para o ministério. O maior potencial para crescimento da igreja na próxima geração vem de pessoas que têm fome de relacionamentos significativos no local de trabalho. Nossos trabalhadores estão num campo pronto para a colheita, mas ainda não aprenderam como se envolver efetivamente. 5. Como Chegamos Lá Infelizmente não existe uma receita universal para chegar onde gostaríamos, mas existem alguns passos fundamentais que podemos tomar para nos aproximarmos daquilo que Deus pretende para nós. Durante anos, a igreja e o mundo secular têm se mantido em esferas separadas. Cada um tem sua própria cultura que separa local de trabalho e igreja. As pessoas não reagem até que sejam motivadas a responder. Na igreja, ouvimos sobre as Boas Novas e sobre como Deus quer trazer esperança para o mundo. Mas, quando no mundo, na segunda-feira, ninguém convida o colega de trabalho para descobrir a graça de Deus, o perdão e a esperança. Existe falta de paixão pelo bem-estar espiritual dos nossos colegas de profissão. Isso acontece semana após semana, e logo esta dissociação da igreja e trabalho se torna “normal”. A lacuna entre teologia e práxis cresce, criando um paradigma em que a igreja se torna cada vez mais irrelevante para o local de trabalho, e o local de trabalho irrelevante para a igreja. A dinâmica do domingo e dos dias da semana é a de dois mundos distantes, e não deveria ser. Na maioria das vezes, trabalhadores e pastores vivem paradigmas diferentes. Muitos pastores passam a maior parte de sua vida profissional como pastores em tempo integral e não entendem plenamente a dinâmica do trabalho. Por sua vez, os trabalhadores não fazem o pastor entender como eles passam a semana no local de trabalho. O resultado é que cada um permanece no seu respectivo mundo, encontrando-se apenas nas obrigações da igreja. Os trabalhadores têm a responsabilidade de levar seus pastores para um “tour” ao lugar onde exercem suas profissões, e os pastores precisam se tornar mais proativos para entender o coração e o contexto da cultura do trabalho dos seus membros. O Evangelho não é apenas teologia; é também compartilhar exemplos vivos do que funciona e do que não funciona. Estudos bíblicos no trabalho, na hora do almoço, oração de segunda de manhã com crentes amigos, discussão no corredor são parte da solução. Conferências no local de trabalho, alguns livros e estudos sobre os ofícios exercidos são ferramentas muito úteis e podem ajudar a começar. Entretando, o problema é que, em geral, as pessoas não integram trabalho e ministério. Não temos exemplos significativos para dar de trabalhadores cristãos que sabem integrar bem sua fé de domingo com o emprego durante a semana. A fé de muitas pessoas tende a ser bem dividida. Poucos crentes fazem constribuições importantes no trabalho, percebidas ou celebradas na igreja aos domingos. A igreja tem que se tornar viva onde os crentes atuam como profissionais, tornando sagrado aquele lugar. O trabalho tem que ser visto como uma parte integral e essencial do campo missionário de cada um. Duas coisas precisam acontecer para que haja a ponte entre trabalho e igreja: precisamos repensar globalmente o papel da igreja ajudando nossos emissários em locais de trabalho, e repensar o papel do trabalho como motivador do emissário. Sem este repensar deliberado e ações concretas, perpetuaremos o paradigma atual de trabalhadores, fazendo muito pouco pela colheita que está à espera da nossa atenção. O movimento Business as Mission (BAM – Negócios como Missão) tem demonstrado como precisamos ser muito mais intencionais a respeito de penetrar no local de trabalho. O seu foco no aspecto prático, equipando empresários para que prosperem em seus negócios precisa tornar-se parte da cultura da igreja. Uma característica comum dos integrantes do BAM é que eles são superapaixonados por sua missão e estão prontos a arriscar tudo para conseguir seus objetivos. O trabalho precisa ser visto como uma oportunidade para missões, um lugar onde podemos levar o dom do amor de Deus para pessoas com quem normalmente não teríamos contato. Para transformar o atual paradigma secular de “trabalhar para viver” em “soprar a vida de Deus no trabalho”, a igreja precisa se tornar mais do que simplesmente adoração e ensino. 6. O Que Precisamos Fazer Agora Não precisamos elaborar planos e estratégias. Só precisamos começar. Mas, para começar, precisamos desenvolver planos simples que funcionem, e construir sobre a experiência que já temos. Já temos um bom número de bons livros de motivação, estudos e exemplos, e suficiente culpa por não fazer o que é preciso. Isso está bom para começar. O que nos falta é massa crítica para construir e criar o momento para fazer o processo sustentável. Construir uma ponte entre o secular e o sagrado começa com uma ponte entre a igreja e o local de trabalho. Importantes envolvimentos da laicidade no desenvolvimento de estratégias, como o que está acontecendo no Congresso Cape Town 2010, é um bom começo. Apesar de os pastores estarem ombro a ombro com a laicidade no contexto da igreja, as conversas enfocam os negócios da igreja e não a missão nos locais de trabalho. Muitos pastores não têm a experiência nem o conhecimento para se envolver em uma discussão prática de missão voltada para ambientes profisisonais. Educar a laicidade no sentido de trazer questões do local de trabalho para a agenda de missões da igreja é importante, mas isso deve ser feito em paralelo, para ajudar o clero ver as possibilidades de missões nestes lugares. Tudo o que fazemos é um dom de Deus, quer seja pregar, ensinar, projetar, cozinhar, limpar, criar uma planilha ou operar uma máquina. E tudo o que fazermos deve refletir excelência, uma oferta digna e aceitável a Deus. Todo treinamento e todas as melhores ferramentas vão acumular pó nas prateleiras se não houver uma renovação da paixão, que vem somente através da oração e do mover do Espírito de Deus. O púlpito é um instrumento poderoso, mas apenas se for relevante. Regurgitar velhos clichês sem entender a dinâmica do trabalho apenas aumen ta a divisão entre o secular e o sagrado. Esta é a hora de colocar de lado velhos paradigmas e começar a transformar o local de trabalho em um terreno santo, onde Deus seja convidado a mover-Se através de nossas vidas. Começar é importante, mas sem sustentabilidade como parte integral de um projeto, a missão no local de trabalho se tornará um modismo e não uma realidade. Precisamos pedir a Deus que levante campeões que liderem o processo. Precisamos destes campeões para trabalhar com crentes de todas as vocações e chamados, para construir uma comunidade prática, para promover a excelência e para manter o momento vivo. Temos ferramentas como a Internet e o Skype que podem facilitar a troca de conhecimento através de comunidades virtuais. Tais ferramentas podem causar um impacto real. Através da tecnologia podemos compartilhar e vivenciar o mover de Deus em tempo real. Precisamos colocar em funcionamento rodas que nos levarão a lugares que não imaginávamos possíveis. 7. Como é um ambiente de trabalho sagrado? – Modelo de José Discutir conceitos sobre “o que é” e “o que deveria ser” cria conscientização e motiva as pessoas a agirem. Mas, se não soubermos para onde estamos indo, estaremos crescendo no escuro. Todos nós esperamos que nossos esforços produzam o início da jornada de fé nas pessoas, e que elas passem a ter um relacionamento cada vez mais firme com Deus. Mas sair de onde estamos e ir para onde queremos estar não acontece da noite para o dia. Não temos uma fórmula mágica nem manuais de instrução que garantam resultados perfeitos, mas temos uma lista de exemplos do que é possível. Deus me abençoou com um local de trabalho sagrado onde sirvo-O como consultor profissional de engenharia. Chamo este exemplo de “Modelo de José” em homenagem ao homem que transformou cada um dos seus ambientes de trabalho de condições adversas. O caminho para a fé é uma jornada cujo ponto da virada é alcançado quando a busca dá lugar ao comprometimento e à transformação constante, através de um andar diário com Deus, em um ambiente que foi reclamado por Ele. Entretanto, no processo de plantar a semente, existem muitas variáveis que fogem do nosso controle, impedindo o crescimento e a maturidade. Depois de anos tentando convidar colegas de trabalho para se juntarem à jornada de fé, percebi que sem um ambiente propício, palavras e exemplos pessoais não eram suficientes. Para superar alguns impedimentos e alcançar a fase de compromisso, comecei o processo de discipulado a partir do momento em que a pessoa entrava na minha esfera de influência. Embora eu tenha o privilégio de ser diretor da empresa na qual trabalho, também tenho a responsabilidade de tentar usar tudo o que estiver em meu alcance para criar um ambiente altamente propício à excelência do produto que fornecemos, e de ajuda, para que as pessoas alcancem seu mais alto potencial. Lidero um grupo de engenheiros profissionais altamente qualificados com projetos ativos em mais de 20 países. Nosso principal produto são relatórios de consultoria de alto nível para governos, agências de fundos internacionais e executivos de empresas de eletricidade. Os valores que conduzem nosso ambiente de trabalho incluem prestação de contas, responsabilidade, excelência, trabalho em equipe, discussões em um ambiente de aprendizado, riscos, perdão, apoio e celebração. Embora todos estes itens sejam muito desejáveis do ponto de vista profissional, eles também podem ser importantes para ajudar pessoas a embarcar em uma saudável jornada de fé, antes de assumirem qualquer compromisso com o Senhor. Estes itens se tornaram diretrizes para se obter execelência profissional, e também parte integrante do processo de fazer bons discípulos. Prestação de contas lembra as pessoas que devem responder a uma autoridade superior em qualquer área da vida. A responsabilidade reforça o princípio de trabalhar em meio à dificuldade de cumprir obrigações e compromissos. O valor da excelência motiva as pessoas a fazerem melhor do que faziam antes e melhor do que outros estão acostumados a fazer. Um ambiente de aprendizado estimula a discussão e encoraja a busca do conhecimento atual e a descoberta de coisas novas sobre a vida. Encorajar a equipe a correr riscos ajuda a sair da zona de conforto para um novo território, enquanto o perdão é oferecido aos que cometem erros ou àqueles cujas iniciativas não foram bem sucedidos como seu otimismo inicial indicava. O apoio ajuda as pessoas a prosseguirem com confiança para o nível seguinte de entendimento e conhecimento, com celebração pelos sucessos. Não existe divisão entre secular e sagrado no desenvolvimento destes valores. Este é um ambiente santo, uma vez que todos os valores acima são fundamentais para andar em fé. Tal ambiente não é apenas para excelência profissional, mas também para colegas de trabalho serem discipulados muito antes de assumirem um compromisso de fé. Cada um dos valores destaca um aspecto da fé e é praticado no local de trabalho diariamente, dando aos envolvidos no trabalho a experiência de andar em fé, o que é o objetivo das Boas Novas. Portanto, quando eles conhecem Jesus atravessando a ponte para a vida de fé, estão num estilo de vida que já lhes é familiar, porque já tinham passado por um curso intensivo de discipulado antes da sua conversão, que agora os ajuda a crescer rapidamente no seu relacionamento com Deus. Este é o ambiente sagrado no qual eu vivo no meu local de trabalho. Para aqueles que não estão em posições de gerência, o terreno santo pode ser limitado para sua área compartilhada de trabalho, sua mesa ou sua bancada. Para alguns, o local santo de trabalho é o estudo bíblico semanal na hora do almoço. Para outros, podem ser os intervalos para o cafezinho ou para o almoço com conversas, não monólogos, sobre coisas da vida. Por último, o que transforma o secular em sagrado é a presença de Deus. E quando Deus está presente, mudanças acontecem. Somos chamados para ser agentes de mudança. Se José pôde fazer isso como escravo e prisioneiro, não existe razão por que nós não possamos transformar em um terreno santo o que está dentro da nossa esfera de influência. 8. Mapa para o Futuro O futuro está repleto de possibilidades para alcançar bilhões de pessoas ativas, que ganham a vida no local de trabalho. Para onde esta estrada nos levará, depende da construção de pontes sobre a divisão entre o secular e sagrado. O Congresso Cape Town 2010 trará a laicidade para o contato direto com líderes da igreja. Podemos traçar um programa, mas o que precisamos mesmo é ampliar nossa visão com liderança eficaz, e isso virá somente através da oração. Todos os movimentos precisam de liderança. A liderança no local de trabalho é necessária tanto quanto a liderança em agências missionárias e nas igrejas. Muitos profissionais são líderes, mas outros, não. Os poucos que falam em público ou escrevem, recebem atenção, principalmente se forem CEO’s ou algum dignatário. Precisamos energizar, treinar e equipar homens e mulheres leigas para levarem o Evangelho a todos os cantos onde trabalham. Como treinamos líderes para serem catalisadores no contexto em que vivem e para mobilizarem outras pessoas? Muitos profissionais crentes querem realmente alcançar pessoas e causar impacto onde trabalham. Mas, como em outros contextos, eles precisam de liderança. Quase todos pensam em liderança no contexto secular e no contexto de igreja organizada. As pessoas leem livros sobre gerenciamento e liderança, sobre como liderar melhor no trabalho ou no “ministério”, mas, o que é preciso para liderar no local de trabalho e causar impacto para o Evangelho? Certamente é mais do que organizar um estudo bíblico ao meio dia ou uma palestra especial. Como é este líder na linha de montagem ou à frente de uma corporação? O que ele precisa para desenvolver a capacidade de liderança de fé no local que exerce sua profissão? Será que basta gerenciar bem o seu trabalho? Que no Congresso Cape Town 2010, Deus abra nossos olhos e derrube barreiras que criamos, para que todos possamos preparar o local de trabalho para uma incrível jornada de fé. © The Lausanne Movement 2010 Português Translation by: LGC_Translation Willy Kotiuga Author: Willy Kotiuga Date: 08.06.2010 Category: Workplace Ministry