Atalho do Facebook

FICAMOS ALEGRES COM SUA VISITA

ESPERAMOS, QUE COM A GRAÇA SANTIFICANTE DO ESPIRITO SANTO, E COM O DERRAMAR DE SEU AMOR, POSSAMOS ATRAVÉS DESTE HUMILDE CANAL SER VEÍCULO DA PALAVRA E DO AMOR DE DEUS, NÃO IMPORTA SE ES GREGO, ROMANO OU JUDEU A NOSSA PEDRA FUNDAMENTAL CHAMA-SE CRISTO JESUS E TODOS SOMOS TIJOLOS PARA EDIFICACÃO DESTA IGREJA QUE FAZ O SEU EXODO PARA O CÉU. PAZ E BEM

AGRADECIMENTO

AGRADECEMOS AOS NOSSOS IRMÃOS E LEITORES, POR MAIS ESTE OBJETIVO ATINGIDO, É A PALAVRA DE CRISTO SEMEADA EM MILHARES DE CORAÇÕES. PAZ E BEM

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

É só abrir o coração.



É só abrir o coração e deixar o sol do amor entrar. Há muito sonho no ar, há muita festa no sorriso das crianças e muita beleza no sorriso de todos. Repare ao seu redor e veja o que restou depois da chuva. Veja a relva que cobre o vale, tão verde, tão feliz! Ela agradece a chuva que lhe dá vida, e agradece o sol que lhe dá flor, semente e a faz reproduzir. Todos sorriem gratos à Natureza que tanta beleza traz e reflete tanta paz. É só abrir o coração e deixar o sol do amor entrar. Há motivos sobejos para sorrir. Não obstante, é preciso criar uma linguagem nova, usar palavras otimistas, apagar de vez aquelas frases que só evocam derrotas e criam um clima de pessimismo refletindo um interior desprezível e infeliz. É preciso crescer por dentro, avançar em busca de um novo ideal, plantar a semente da paz e da solidariedade. Chega de confrontos e desavenças, chega de ressentimentos e amarguras. O mundo clama por união e compreensão. Tudo depende de cada um de nós. É preciso trocar os horríveis pesadelos por sonhos azuis, dourados, multicores... É preciso trocar as armas bélicas, que causam tanta destruição e fazem derramar tanto sangue e tantas lágrimas, por alimentos, roupas, remédios... É só abrir o coração e deixar o sol do amor entrar. Veja a sucessão dos dias e das noites, conte as estrelas ou tente contá-las. Você já viu o Cruzeiro do Sul? Você sabia que cada estrela tem um nome? Procure olhar e admirar as estrelas. Isto é, no mínimo, uma boa terapia. O conhecido poeta Olavo Bilac, num de seus sonetos, escreveu que conversava com elas toda noite e as ouvia. O incrível infinito tem muito para nos ensinar. Aproveite esse doce momento e dê uma olha na Lua. Descubra por que ela é tão querida dos namorados e evoca tanto romantismo. Tudo que existe de mais belo foi criado para ser amado e admirado. Não precisa ser poeta para amar e admirar a Natureza. Os dias e as noites se completam. E quando dormimos há Alguém que vela por nós. Experimente viver a "sua vida". Experimente ser você mesmo. Valorize-se, cresça, acredite mais em si. Ouça e tire as suas próprias conclusões. Não se deixe enganar por ninguém. As coisas, em geral, são bem menos difíceis do que aparentam ser. É só abrir o coração e deixar o sol do amor entrar. Sonhe mais e procure realizar mais. Afinal, as realizações também são sonhos - sonhos materializados, vividos e vivenciados. Ademais, estamos em Setembro, o mês que marca o inicio da Primavera. É só abrir o coração e deixar o sol do amor entrar. Paz e bem Cícero Alvernaz

Seja feito a sua vontade e não a nossa.


Venha teu reino; seja feita nossa vontade… “E partiram indo habitar em Gerute-Quimã, que está perto de Belém, para dali irem e entrarem no Egito, por causa dos caldeus; porque os temiam, por ter Ismael, filho de Netanias, matado a Gedalias, filho de Aicão, a quem o rei de Babilônia tinha feito governador sobre a terra.” Jr 41; 17 e 18 Israel fora levado cativo para Babilônia; entre os remanescentes, colonos, soldados; certo Ismael assassinara ao rei vassalo Gedalias, que Nabucodonosor constituíra para dar contas aos Caldeus dos assuntos da terra. Mesmo Jeremias estando preso fora solto por um capitão caldeu, e ficara entre o povo que agora, olhava para o Egito como lugar seguro temendo a represália Babilônica por causa do assassinato. Mas, antes de fugir decidiram consultar a Vontade de Deus mediante ele. “…roga ao Senhor teu Deus, por nós e por todo este remanescente; porque de muitos restamos uns poucos, como nos vêem os teus olhos; para que o Senhor teu Deus nos ensine o caminho por onde havemos de andar e aquilo que havemos de fazer.” 42; 2 e 3 Aparentemente, uma sábia postura, até por que se dispuseram a obedecer qualquer que fosse a diretriz; “Seja ela boa, ou seja má, à voz do Senhor nosso Deus, a quem te enviamos, obedeceremos, para que nos suceda bem, obedecendo à voz do Senhor nosso Deus.” V 6 Seria blasfemo supor que a Vontade de Deus em algum momento seja má, em si; pois, mesmo quando nos corrige tem nosso bem como alvo. “… para que experimenteis qual seja a boa, perfeita e agradável Vontade de Deus” Rm 12; 2 Então, parece lógico entender que uma vontade “má” equivaleria a algo difícil, contrário à inclinação humana. Bem, o profeta orou, e após dez dias o Senhor respondeu. Como os líderes temiam, a Vontade do Eterno foi mesmo “má”; “Não temais o rei de Babilônia, a quem vós temeis; não o temais, diz o Senhor, porque eu sou convosco, para vos salvar e para vos livrar da sua mão. E vos concederei misericórdia, para que ele tenha misericórdia de vós, e vos faça voltar à vossa terra.” Vs 11 e 12 De tal forma que “concluíram” que nem era Deus, devia ser uma invenção do “subornável” profeta. “Então falaram Azarias, filho de Hosaías, e Joanã, filho de Careá, e todos os homens soberbos, dizendo a Jeremias: Tu dizes mentiras; o Senhor nosso Deus não te enviou a dizer: Não entreis no Egito, para ali habitar; mas Baruque, filho de Nerias, te incita contra nós, para entregar-nos na mão dos caldeus, para nos matarem, ou para nos levarem cativos…” 43; 2 e 3 O fato é que fugiram para o Egito e ainda levaram a Jeremias consigo. Triste quadro do ser humano após o “sereis como Deus”; já não consegue delegar a outro a decisão sobre o bem e o mal, mesmo que esse Outro seja o Criador. O que intriga é a hipocrisia de trair a si mesmo; fazer o que dá na telha, “envernizando” as próprias escolhas como “Vontade de Deus”. O Santo havia prometido proteção ficando na terra, e ameaçado desdita mesmo no Egito; Insistiram e foram; e a espada babilônica que temiam os alcançou mesmo lá. Talvez essa perfídia auto aplicada seja uma espécie de plano B, em face à insegurança íntima de agir de modo próprio; no fundo, saber que é um erro; mas, quando isso ficar patente, atribuir a Deus a culpa. Assim, desejamos mais a reputação cínica de inocentes que agir de modo inculpável. Ora, o mais sábio humano dissera: “Do homem são as preparações do coração, mas do Senhor a resposta da língua. Todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas o Senhor pesa o espírito. Confia ao Senhor as tuas obras e teus pensamentos serão estabelecidos.” Pv 16; 1 a 3 Enfim, nosso lugar protegido contra a espada do inimigo é onde Deus se dispõe a guardar; não, onde nos sentimos melhor. Ele limita em Sua Palavra o “Terreno” seguro; “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito. Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte.” Rom 8; 1 e 2 O mesmo Jeremias advertira contra os logros cardíacos: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?” Jr 17; 9 Enquanto ao mundo parece sábio agir com todo coração, a nós, só será se nosso estiver secundando Deus. “Achei a Davi, filho de Jessé, homem conforme o meu coração, que executará toda a minha vontade.” Atos 13; 22. Paz e bem

terça-feira, 17 de setembro de 2013

A felicidade caiu no esquecimento ?


''A igreja tem abdicado de ser um espaço para a cura da realidade humana e, tristemente, tem se tornado num encontro de interesses voltados a atender as demandas de uma cultura do sucesso, ao qual Cruz de Cristo não passa de uma intervenção necessária, diante das contingências e tensões da vida.'' Os discursos preponderantes nos denominados âmbitos evangélicos, ou protestantes, ou pentecostais, ou ortodoxos e por ai vai abordam a questão de ser feliz, como uma figura de retórica. Presumidamente, muito embora uma expressão apetecível aos ouvidos, a princípio, mas parece acarretar dissonâncias, principalmente, quando nos deparamos com uma realidade desafeita aos valores inclinados ao próximo, ao ser, a profundidade de nossa existência. Tudo, ao folhear as páginas da pós-modernidade, nos remete a um estado de conformismo, de aceitar as regras do jogo e se há algo sublime no porvir, caberá a cada um viver. Sem sombra de dúvida, o homem sobrepujou e erradicou com as mais diversas inclemências. Aliás, negar as conquistas regidas pelo expoente crescimento do conhecimento e da ciência, seria uma estupidez e um engodo. Mesmo assim, a ganância e a cobiça prosseguem a desaguar a sandice de sistemas políticos despóticos que anulam os opositores, com armas químicas e outras atrocidades. Evidentemente, as articulações engendradas pela mantença da influência mundial ou da geopolítica dão um verniz de um pretenso humanismo em prol dos vitimados por tais caudilhos ditatoriais. Não por menos, os ecos de insatisfações pulam como pipocas, aqui em nosso país, devido a inserção de recursos avultantes no soerguer de estadios, ao qual, lá no fim de tudo, permanecerão como elefantes brancos. As marcas de impunidade e de uma farra do boi prossegue a infestar as decisões de nossas representantes públicos, caso, mais recentemente, do parlamentar, mormente condenado pelo Supremo Tribunal Federal, não teve sua cassação determinada por seus parceiros, na Câmara Federal. Damos mais alguns toques, a violência se desdobra, em todos os âmbitos sociais e atinge a todos, tanto a brancos quanto a negros, tanto a afortunados quanto a desafortunados. Devo reconhecer, torna - me -ia pedante, chatíssimo, caso desfiasse todo esse vendaval de celeumas. Verdadeiramente, como ser feliz, será ainda possível e essa pergunta não deveria ser enterrada de vez. A guisa essas colocações, ao esmiuçar muitos pensadores da igreja, pouco se nota uma temática sobre ser feliz. De notar, muitos adentram na dimensão evangélica e não vislumbram ser feliz. Vou adiante, não conseguimos acreditar na trajetória de uma relação com o Cristo Ressuscitado feliz, carregamos os fardos de uma alma de culpas e condenações, tentamos compensar nosso passado (com uma esperança que não nos torna mais humanos, mais amigos, mais sensíveis a amizade, mais solidários, mais alinhados pelo amor de renuncia e doação). Lamentavelmente, vivemos numa guerra interminável com nossos rancores e ressentimentos, quando deveríamos aceitar o recomeçar do Senhor, conforme se encontra no Salmo 37.07. Quantas vezes desfiamos anos de nossa vida com discussões vãs, colisões de convicções que não nos levam a lugar nenhum, de atribuir as falanges demoníacas e aos outros todas as mazelas de nossa vida, de conceber nosso irmão como um opositor e etcere. Ora, ser feliz envolve rever as agendas de uma vida cosificada, de não interpretar a relação com o próximo, como uma questão de subjugar e prevalecer, de não fazer do sucesso o ponto cardeal de nossa vida, de não se martirizar (por coisas não conquistadas). É bem verdade, tais palavras são dificieis de serem digeridas e discernidas, basta atentarmos para os princípios mandamentais de uma ética do sucesso, da imagem, de ser reconhecido (independemente da maneira) e aceito. Faz-se pontuar, ser feliz não se constitui em que todos serão a foto do mês, a pessoa do momento, mas conseguem ver a vida, com menos peso. Eis o vrs. 07, descansa no Senhor, ou seja, um estado de equilíbrio interior, pelo qual nos relacionamos com o próximo, com a vida e conosco mesmo. Paz e bem

Um encontro visual com Senhor.


Em nossa caminhada cristã, cada um de nós tem uma visão a respeito de quem é Deus, uma maneira como o vemos, como cremos que ele é e age. Uma visão que foi formada ao longo dos anos, fruto das experiências da nossa vida, da nossa criação, do ambiente, da cultura, das mensagens que ouvimos e lemos, sejam positivas ou negativas, bíblicas ou não. O profeta Isaías nos falou acerca de uma experiência que ele teve no início do seu ministério, que certamente mudou a história da sua vida (Isaías 6.1-5). Nas palavras do próprio profeta, ele viu o Senhor, e não apenas isso, Isaías o viu com toda a sua glória, assentado no seu trono, alto e sublime. Talvez poucos homens ao longo da história tenham tido uma visão assim. Diante da glória e majestade do Senhor, ninguém pode ficar indiferente e Isaías não ficou. A visão que ele teve o fez reconhecer sua pequenez, sua limitação como ser humano, sua fragilidade e seu pecado. Quando se deu conta de sua situação, foi tocado por um anjo do Senhor e experimentou o perdão que Deus nos dá. Desse ponto em diante, Isaías se relacionava com Deus não mais baseado no conhecimento intelectual, mas na revelação que teve. Todos nós precisamos ver Deus como ele realmente é. Deixe-me explicar. A Palavra nos fala de muitas características de Deus, que ele é amor, é bondoso, misericordioso, perdoador, cheio de graça, justo, verdadeiro, fiel e muito mais. Mas há uma diferença entre saber disso racionalmente e crer nisso de verdade. Em outras palavras, há uma diferença entre crer apenas com a mente e crer com o espírito. Nossa fé tem que estar baseada unicamente no que a Palavra diz sobre Deus. Pode parecer óbvio, mas muitas vezes somos levados por nossos sentimentos, pelas sensações, pelas circunstâncias ou por pensamentos contrários à Palavra. Até mesmo pregadores podem transmitir mensagens que distorcem a visão a respeito de quem é Deus se basearem suas mensagens em experiências pessoais e não na Palavra. Nosso relacionamento com Deus sempre estará ligado à visão que temos dele, ainda que não tenhamos consciência disso. Por essa razão é tão importante buscarmos a ele, através da Palavra e da oração, desejando conhecê-lo como ele verdadeiramente é. O profeta Oséias nos diz: “Conheçamos o Senhor; esforcemo-nos por conhecê-lo”, e, “Pois desejo misericórdia, e não sacrifícios; conhecimento de Deus em vez de holocaustos.” (Oséias 6.3 e 6) Às vezes nos questionamos por que algumas de nossas orações não são respondidas. Creio que Deus quer primeiro se revelar a nós como ele é, para então nos responder. Do contrário, é bem provável que nossa visão sobre ele continue distorcida. Jó passou por uma experiência difícil, através da qual ele conheceu Deus de uma forma muito mais profunda, pois ele mesmo disse ao final: “Meus ouvidos já tinham ouvido a teu respeito, mas agora os meus olhos te viram.” (Jó 42.5) Não deixemos que uma visão distorcida sobre Deus afete nosso crescimento na fé. A única coisa que pode nos impedir de termos uma visão verdadeira é o pecado. Mas uma vez confessado e perdoado, não há mais barreiras, pois Jesus já pagou o preço por todos os nossos pecados, de uma vez para sempre. Que a oração de Paulo pelos Efésios seja também a nossa, para que possamos: “juntamente com todos os santos, compreender a largura, o comprimento, a altura e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo que excede todo conhecimento, para que sejamos cheios de toda a plenitude de Deus.” (Efésios 3.18-19) A Deus seja toda a glória! Paz e bem