Atalho do Facebook

FICAMOS ALEGRES COM SUA VISITA

ESPERAMOS, QUE COM A GRAÇA SANTIFICANTE DO ESPIRITO SANTO, E COM O DERRAMAR DE SEU AMOR, POSSAMOS ATRAVÉS DESTE HUMILDE CANAL SER VEÍCULO DA PALAVRA E DO AMOR DE DEUS, NÃO IMPORTA SE ES GREGO, ROMANO OU JUDEU A NOSSA PEDRA FUNDAMENTAL CHAMA-SE CRISTO JESUS E TODOS SOMOS TIJOLOS PARA EDIFICACÃO DESTA IGREJA QUE FAZ O SEU EXODO PARA O CÉU. PAZ E BEM

AGRADECIMENTO

AGRADECEMOS AOS NOSSOS IRMÃOS E LEITORES, POR MAIS ESTE OBJETIVO ATINGIDO, É A PALAVRA DE CRISTO SEMEADA EM MILHARES DE CORAÇÕES. PAZ E BEM

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Coisas que ficam para traz




No saguão de embarque do aeroporto de Congonhas (SP) há uma caixa de acrílico, logo na entrada onde as bagagens de mão são vistoriadas por um aparelho de raio X. Nessa caixa estão contidos vários objetos que os passageiros não puderam levar para dentro do avião: tesouras de cabeleireiro, tesouras escolares, facas, canivetes suíços, réguas de metal e objetos cortantes de vários tamanhos. Muitos desses objetos são caros, outros são completamente banais, outros ainda parecem ser caseiros, gastos pelo uso, improvisados. Tem até um ursinho de pelúcia! Deve ter sido doloroso para aquela criança deixar para trás tal objeto de afeto e desejo.
 
Certos momentos de nossa vida exigem que tomemos difíceis decisões. Certas coisas que cultivamos, certos hábitos, certos valores, certos desejos que trazemos no bolso devem ser deixados para trás. Para continuar a viagem, é preciso abrir mão deles. Isso é sempre necessário, às vezes doloroso, nunca fácil. Por outro lado, só assim nossas mãos e corações podem ficam mais livres de apegos e interesses menores. Na verdade, nem podemos imaginar a liberdade que encontramos ao deixar essas coisas para trás – é o que diz o músico cristão contemporâneo Michael Card.
 
Em sua belíssima canção “Things we leave behind”, o poeta medita sobre o chamado de Pedro e Mateus. Pedro esta à beira-mar, ocupado em seu ofício, consertando suas redes, quem sabe fazendo planos para uma nova pescaria, quem sabe refletindo sobre os ensinamentos do fascinante profeta João Batista. O fato é que Jesus se aproxima dele e o desafia a um novo projeto de vida: “Ser pescador de gente”. Imediatamente, Pedro abandonou os barcos, as redes, os “camaradas”, um estilo de vida de mais de 15 ou 20 anos, e seguiu a Jesus.
 
Mateus estava na coletoria, envolvido em seus relatórios, estatísticas, índices, cotas a serem alcançadas, pessoas a serem “visitadas”, bens a serem confiscados. Ele era coletor de impostos. Sua vida consistia em ter ou não ter, ganhar mais, acumular, taxar e calcular juros. Mas ao conhecer Jesus, uma transformação muito profunda ocorre em seu coração. Ao ouvir o chamado, ele deixa para trás a coletoria, certamente uma difícil decisão em tempos em que emprego, estabilidade financeira e posses materiais eram tão valorizados.

Existe algo estranho no exercício da posse. Facilmente as coisas que possuímos podem ser tornar donas de nosso coração. Facilmente nos tornamos adoradores e zelosos servidores de seus interesses. Temos uma propriedade. Muito bem. Silenciosamente, ela vai reclamando nossa atenção: já pagou o IPTU? Já pagou o IPVA? Viu só quanto estou valendo? Preciso de umas reformas? Olha só como sou preciosa! Você não vai querer me ver caindo aos pedaços, vai? O que seria de você sem mim? Eu é que lhe dou importância! Você acha que os outros lhe dariam atenção se não fosse meu dono? Como é que você vai viver sem mim?

Mas Cristo quer nos libertar do poder encantatório das coisas materiais. Ele quer libertar nosso coração da necessidade de centrar a vida na posse de coisas. Seu desafio de segui-lo exige de nós o exercício, às vezes doloroso, mas certamente necessário e surpreendente, de abrir mão de ser dono, proprietário último do que temos. Isso não quer dizer que devamos ser mendigos e viver de favores, pelo menos não todos nós. Na verdade, o que Ele quer mostrar é que não precisamos dessas coisas para viver plenamente. Podemos até tê-las em nosso nome, mas não em nosso coração. Então veremos quanta liberdade encontramos ao abrir mão dessas posses.

Meditemos na letra da canção “Coisas que deixamos para trás” (Things We Leave Behind), de Michael Card:
 
Lá está Simão assentado, tão tolamente sábio,
Consertando com orgulho suas redes.
Mas Jesus o chama e os barcos partem,
E tudo o que tem ele esquece.
Porém mais do que as redes que ele abandonou naquele dia,
Ele descobriu que seu orgulho estava acabando.
É difícil imaginar a liberdade que alcançamos
Com as coisas que deixamos para trás.
 
Mateus era rigoroso ao cobrar impostos
E obrigar as pessoas a pagar.
Mas, ouvindo o chamado, ele respondeu em fé
E seguiu a Luz e o Caminho.
E deixou o povo perplexo ao descobrir
Que a cobiça não estava mais lá.
É difícil imaginar a liberdade que alcançamos
Com as coisas que deixamos para trás.
 
Todo coração precisa se libertar
De posses que os prendem tão fortemente,
Pois a liberdade não está nas coisas que possuímos
Mas é o poder de fazer o que é certo.
Com Cristo, nossa única posse,
E dar se torna nosso prazer,
É difícil imaginar a liberdade que alcançamos
Com as coisas que deixamos para trás.
 
Nós mostramos em nossas vidas o amor pelo mundo
Quando adoramos as coisas que possuímos.
Jesus disse: “Deixa de lado os teus tesouros
E ama a Deus acima de todas as coisas!”.
Porque quando dizemos não às coisas do mundo,
Abrimos nosso coração para o amor do Senhor
E é difícil imaginar a liberdade que conseguimos
Com as coisas que deixamos para trás.
 
__________
Gladir Cabral

Novo de novo




Que princípios me guiam quando começo uma nova etapa, projeto ou desafio na vida? Em horas assim eu me identifico com aqueles discípulos que pedem a Jesus, “aumenta em nós a fé” (Luc. 17:5). Ao ver a resposta de Jesus e a sequência de eventos narrada por Lucas, encontro três princípios norteadores:

Princípios
1. Fortalecer a fé cultivando um coração agradecido
Lucas descreve a cura dos dez portadores de hanseníase em que somente um deles, o marginalizado samaritano, volta para agradecer. A ele Jesus diz “a tua fé te salvou” (Lc 17.19). Ora, os outros também haviam sido curados, mas a diferença com esse é que houve reconhecimento e gratidão quanto ao que havia passado. Para ele então haverá fé fortalecida e reafirmada para enfrentar o que virá. Gratidão e fé andam de mãos dadas. Quem é capaz de reconhecer tudo o de bom que já passou consegue ver com mais sossego e confiança aquilo que ainda virá.

2. Cuidar e vigiar a minha vida
Em seguida aparece a pergunta sobre a vinda do Reino de Deus. Jesus se contrapõe à arrogância de quem diz que o “o Reino está aqui ou ali” com uma curiosa receita. Ele diz que em verdade o Reino já “está entre vocês”. Assim os prepara para os tempos de aflição que chegarão. Não mais expectativa e especulação sobre o que virá, mas alerta para que cuidem e vigiem o que já está, a sua vida. Ecoa a exortação que apareceu antes, “tomem cuidado” (Lc 17.3), a mesma de Paulo a Timóteo (“cuide de você mesmo e tenha cuidado com o que ensina”, 1 Tm 4:16). Cuidar e vigiar sempre, e mais ainda quando tudo vai bem, quando sou bem-sucedido e em experiências de poder e influência. Cuidado e humildade serão bom acompanhamento para tudo o que está por vir.

3. Perseverar na confiança em um Deus bom e justo
Uma viúva insistente e um mau juiz nos trazem o terceiro princípio (Lc 18.1-8). Essa mulher luta por justiça. Quem pode trazê-la é indiferente e iníquo. Ela não se importa, nem desanima, ao contrário, persevera, consegue que se atenda o seu pleito. A lição? Se um juiz assim promove a justiça, quanto mais não o fará um Deus que é bom e justo. A perseverança muitas vezes é tudo o que nos resta. Sem resposta, sem inclusive sinais de que ela chegará, só nos cabe a obediência simples de seguir no mesmo correto caminho, confiando no Deus de justiça.

Contextos
Também vejo na Palavra três contextos em que somos chamados a cumprir uma tarefa. Eles são a necessidade (Gn. 2.5, “não havia ninguém para cultivar o solo”), a falta de esperança (Ez 37.11, “nossa esperança desvaneceu-se”) e o medo (Jo 20.19). Em cada um desses episódios o elemento comum é o sopro do Senhor, que nos comunica três verdades fundamentais:

Verdades
1. Deus nos dá a vida e a sustenta.
Quando o Espírito do Senhor sopra sobre o homem, lhe dá fôlego de vida, mas não só isso, lhe dá um sentido e um propósito à vida, cultivar e guardar esse jardim onde foi plantado. Não só minha vida, mas as tarefas e os projetos terão novo sentido com o sopro de poder daquele que me criou. A necessidade pode até ser um elemento importante de nosso chamado, mas essencial em verdade será o doce propósito sussurrado por esse sopro.

2. Deus renova todas as coisas
Os ossos sequíssimos são o símbolo inapelável da desesperação. Mas o sopro é a evidência de que a desesperança não tem a palavra final. Em um processo, em etapas, os ossos ganham carne, tendões, pele, e ao final o sopro de vida. Nada está tão seco ou estragado que não possa ser restaurado. Parece que os mais jovens tendem a crer que um erro ou tragédia seja o final da história. Por outro lado parece que muitos anciãos conseguem desenvolver essa capacidade de crer que um equívoco, mesmo que grande, não nos determina. É preciso recuperar a capacidade de confiar em um Deus que renova com o seu sopro todas as coisas.
3. Jesus nos envia na sua paz e no poder do Espírito
Jesus morto e ressuscitado, mas as dúvidas e as perseguições atemorizam os discípulos. Reunidos a portas fechadas, Jesus os visita, e por três vezes lhes diz: “Paz seja com vocês”. Assim os consola antes de soprar sobre eles enviando-os da mesma maneira que o Pai lhe havia enviado (Jo 20.21). O medo será natural, moeda corrente, mas o sopro nos conduzirá em paz, no seu poder, no aprendizado do estilo de Jesus para a vida e a missão. 
Três princípios, três contextos, três verdades que fundamentam novos projetos. Que sopre sobre nós o bom vento do Senhor!
________
Ricardo Wesley M. Borges é casado Ruth e pai de Ana Júlia e Carolina. Eles são missionários brasileiros entre estudantes universitários no Uruguai


terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Resgatados para resgatar


Meus irmãos, para finalizar esse Acampamento tão simples e tão maravilhoso, parece que o Senhor escolheu as leituras (Isaías 55,6-9; Filipenses 1,20c-24.27a; Salmos 144; Mateus 20,1-16a), e na verdade Ele escolheu, pois Ele sabia desse Acampamento e já dispôs essas leituras.

Veja o que foi dito na primeira leitura: “Buscai o Senhor, enquanto pode ser achado; invocai-o, enquanto ele está perto” (Is 55,6). Graças a Deus quantos vieram buscar o Senhor e o encontraram. Eu posso dizer a você que veio buscando o Senhor e o encontrou pela primeira vez de maneira nova, parabéns! Deus abençoe você! Deixa calar em seu coração essa palavra do Senhor: “Buscai o Senhor, enquanto pode ser achado; invocai-o, enquanto ele está perto”.

Nós estamos graças a Deus no tempo da misericórdia, tempo que o Senhor se põe de braços abertos para acolher a todos que vêem a Ele. Você sabe que todo tempo dura por um tempo. Tempo de manga, goiaba... e terminado aquele tempo, terminou. Deus é sempre misericordioso, mas o Deus que é misericordioso também é justo, vai ter um momento que Ele vai precisar usar da sua justiça, então volte agora para o Senhor. Ele está esperando por você e pelos seus. Não é uma coisa egoísta, não é apenas nós nos voltarmos para o Senhor, mas querer que os nossos também se voltem a Ele.

A gente fica estranhando a conclusão do Evangelho, aquele pai de família vai de madrugada buscar operários para sua vinha; a plantação está pronta para ser colhida, e a uva tem que ser colhida no tempo exato, por essa razão ele vai de madrugada procurar trabalhadores, mas volta ás 9h, ao meio dia, às 15 e às 17h. Por que ele volta tantas vezes? Porque ele é o dono da vinha e os cachos de uva têm que ser colhidos, pois não podem se perder. É por essa razão que ele vai buscar operários também às 17h. Por que ele faz o pagamento daquele jeito, começando pelos das 17h que trabalharam apenas uma hora? Ele não igualou o pagamento, na verdade ele era grato aos que trabalharam o dia inteiro, mas grato a todos que trabalharam, principalmente aos que foram às 17h porque senão as uvas teriam se perdido. E o Pai de família que é o Senhor não quer perder nenhum "cacho de uva" que se trata de você e dos seus, e de muita gente que o Senhor não quer que se perca.

Nós não somos da primeira hora e nem da segunda, somos da última hora, fomos colhidos agora e precisamos ser muitos gratos ao Senhor porque esses operários nos levaram para o Senhor e hoje nós precisamos permanecer no Senhor. Eu e você precisamos ser firmes, fortes e lutadores.

Há um outro aspecto muito importante neste Evangelho, vou falar de nós operários que Ele manda buscar porque não quer perder suas "uvas". Você é operário do Senhor até mesmo em gratidão por ter sido colhido e trazido de volta a Ele. Você é chamado a ser evangelizador e entrar no trabalho do Senhor. Na Igreja há lugar para todos, mas na evangelização, vocês leigos podem ir onde os bispos e nós padres não podemos ir; em primeiro lugar na sua família, você é o primeiro apóstolo da sua família; você pai, mãe, filho.
"Meu irmão, é preciso trabalhar e querer a salvação de nossos entes queridos"
Foto: Renan Félix

Tem muitos filhos que ainda precisam ser colhidos pelo Senhor. Você é o apóstolo da sua casa, você é o evangelizador. Dizemos que santo de casa não faz milagres, mas a grande arma não está na boca, você ficar falando com a pessoa, mas a grande arma está nos joelhos, reze, reze, reze. Chegue até a cama de seu filho quando ele estiver dormindo e reze por ele. Queira realmente que seu filho seja resgatado pelo Senhor, queira e não desanime, busque todas as ocasiões. Facilite para que ele se encontre com outros jovens em tantos movimentos que o Senhor tem suscitado em sua Igreja, você verá o efeito que fará. É preciso que você queira a salvação de seus filhos.

Quanto filho, quanta filha precisa resgatar seu pai e sua mãe. Infelizmente há muitos pais que na nossa cultura são durões e não vão à igreja, e precisam ser resgatados pelo Senhor; eles não podem se perder, e é claro que você não quer que eles se percam, e não basta que eles sejam bonzinhos, eles precisam voltar a Deus, aos sacramentos. Se nós rezarmos ao Senhor pelos nossos pais e avós, o Senhor buscará o momento para salvá-los, nem que seja o último dia.

Meu irmão, é preciso trabalhar e querer a salvação de nossos entes queridos, você está em lugares onde nós padres não podemos chegar, e você onde trabalha precisa ser o evangelizador, os que trabalham com você, as pessoas que Deus coloca em seu caminho, precisamos querer a salvação deles, lá você está perto e pode falar e agir. Primeiro a sua própria presença como alguém do Senhor incomoda, você não pode ser uma pessoa chata, mas só de não se comportar como os outros, você acaba sendo um estranho no "ninho" e isso incomoda. Nós não somos carolas como eles dizem, mas reconhecem que nós fazemos a diferença e é assim que precisamos ser, pois quando a coisa aperta eles buscam a nós. Reze e não perca a ocasião, pois você é apóstolo da última hora, realize a sua missão.

Meu irmão, isso é muito sério e lindo. Não perca tempo! O que eu vou falar é muito sério, os nossos irmãos evangélicos, e há verdadeiros evangélicos, que não perdem tempo, e graças a Deus eles tem pegado muita gente. Nós queríamos que eles estivessem aqui, mas acabaram conhecendo o Evangelho e indo para outra igreja, mas talvez lhes faltem coisas preciosas como a Eucaristia, e tantas outras coisas que temos, mas nós não temos feitos aquilo que eles tem feito, e quanta gente está se salvando porque encontrou um evangélico que os levou para sua igreja. Meus irmãos, está na hora de acordarmos e darmos tudo, pois o Senhor nos dará o pagamento daquele que trabalhou o dia todo. O Senhor quer dar esse pagamento a você, comece onde puder começar, se você ainda não tem o aprendizado como levar o Evangelho, fale daquilo que você é hoje, e daquilo que você conseguiu, a vida fala mais que mil palavras.

São Paulo fala: “Irmãos: Cristo vai ser glorificado no meu corpo, seja pela minha vida, seja pela minha morte. Pois, para mim, o viver é Cristo e o morrer é lucro”(Filipenses 1,20c-24.27a). Paulo foi como um bom operário que não deixou nenhum “cacho de uva” se perder. E ainda diz: Só uma coisa importa: vivei à altura do Evangelho de Cristo. Diga ao Senhor: “Senhor, é isso que eu quero ser pela sua graça. Amém”!

Monsenhor Jonas Abib

Transcrição: Willieny Isaias

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Seu próximo sua responsabilidade



Amado, independente de qual seja sua ocupação ou função na igreja do Senhor Jesus, seja você um padre, missionário, presbítero, diácono, líder de um ministério ou mesmo algum membro sem ocupações eclesiásticas, existe alguém neste exato momento que você esteja tentando levar para Jesus?

Acredito que todos os que são discípulos de Jesus tem como incumbência o alvo de ganhar vidas para o Senhor, seja através da pregação da palavra, do testemunho pessoal, evangelismo nas ruas, etc. A verdade é que ninguém está fora desta convocação de ir e pregar o evangelho a toda criatura.

Certa vez, o evangelista Filipe, homem cheio do Espírito Santo, ousado e disposto, recebeu uma ordem para ir evangelizar um eunuco, alto oficial de Candace, rainha dos etíopes (Atos 8:29-40). O fato é que em um dado momento desta passagem o Espírito de Deus disse para Filipe se aproximar e acompanhar aquela condução em que o eunuco estava (versículo 29).

Aqui, querido, aprendo dois princípios relevantes que todo apaixonado por Jesus deve ter como base no ministério de evangelismo: aproximar-se e acompanhar. Aproximação e acompanhamento são elementos indispensáveis para alguém que quer ganhar almas para Cristo.

Você quer ver alguém firme na igreja? Se aproxime desta pessoa e a acompanhe. Existem vidas que estão carecendo de um discipulado, de relacionamento, de um ombro amigo e de orientação espiritual.

Num primeiro instante, o eunuco estava em busca de algo espiritual, mas ele ainda não tinha Jesus e nem ninguém para falar-lhe sobre as Escrituras Sagradas. O próprio Deus via esta necessidade espiritual na vida deste homem. Apesar de estar retornando de Jerusalém, onde fora adorar, e de estar lendo uma passagem do livro de Isaías, o eunuco ainda precisava com urgência receber Jesus em seu coração. Filipe obedeceu à voz do Espírito, aproximou-se dele e o ganhou para Cristo. A missão foi cumprida. Os céus ficaram em festa! Como é recompensador cumprir com o "ide" de Jesus. 

Todos nós podemos realizar muito mais do que já temos feito. Basta somente tomarmos uma atitude e nos dispormos ao chamado do Mestre. Querido, pode ter certeza de que se você se dispuser, Deus será contigo e pela fé você ganhará muitas vidas para o Senhor Jesus.

Vamos juntos trabalhar para que a semente da eternidade seja plantada nas pessoas. Será que neste ano de 2012 você irá pelo menos tentar levar alguém para o Senhor? Irá pelo menos interceder? Sim ou não? Que Deus te abençoe e te impulsione sempre a falar de Jesus para quem quer que seja. Paz e bem.

O desafio de ser cristão hoje.


Nas Escrituras Sagradas não encontro todas as respostas para as minhas questões, mas sem nenhuma dúvida, tenho a resposta fundamental sobre qual seja o significado da vida - a grande oportunidade de reaprender a viver na presença do Senhor, Deus vivo, único e verdadeiro, o Deus de Israel.

Do passado, no caminhar dos Patriarcas, de Davi, de todos os profetas, e depois que o Deus encarnado nos visitou, dos seus apóstolos, apreendo que a relação com Deus, se resume na equação essencial proposta por Jesus:

"Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." João 14:6

Única, intermitente e suficiente. Sem intermediários, agregados ou macomunados. Ele e eu. Longe dos sacrifícios rituais, sem bezerros de ouro ou ídolos mudos/falantes. Perto da humildade, da igualdade e da caridade. Um caminhar no mundo, no chão da vida, um aprendizado que transforma e me torna responsável. O Espírito santo agora é o meu guia e Mestre.

Outra vez assumo com zelo a tarefa de cuidar da sua maior criação, as pessoas, todas elas, independente de raça, credo ou classe social. O critério se torna apenas uma questão de distância – o meu próximo. Creio que isto representa o que o escritor diz em Hebreus:

Deus, porém, achou o povo em falta e disse: "Estão chegando os dias, declara o Senhor, quando farei uma nova aliança com a comunidade de Israel e com a comunidade de Judá.
Não será como a aliança que fiz com os seus antepassados quando os tomei pela mão para tirá-los do Egito; visto que eles não permaneceram fiéis à minha aliança, eu me afastei deles", diz o Senhor. "Esta é a aliança que farei com a comunidade de Israel depois daqueles dias", declara o Senhor. "Porei minhas leis em suas mentes e as escreverei em seus corações. Serei o Deus deles, e eles serão o meu povo.Ninguém mais ensinará ao seu próximo nem ao seu irmão, dizendo: ‘Conheça ao Senhor’, porque todos eles me conhecerão, desde o menor até o maior. Porque eu lhes perdoarei a maldade e não me lembrarei mais dos seus pecados".Chamando "nova" esta aliança, ele tornou antiquada a primeira; e o que se torna antiquado e envelhecido, está a ponto de desaparecer." Hebreus 8:8-13

No presente, vejo o esfriamento da fé cristã e o esfacelamento da igreja instituída como resultado da deformação a que foi submetido o evangelho. Homens cheios de avareza e/ou cobiça, desobedientes alienados e alienantes da nova aliança, insistem em manter o véu do distanciamento de Deus do seu povo, assumindo a intermediação entre eles, ignorando a nova ordem e contribuindo para instalação do ambiente pré-apocalíptico que vivemos hoje, com suas escolas cheias de histórias alicerçadas em suas vaidades. Nas palavras de Jesus:

No passado surgiram falsos profetas no meio do povo, como também surgirão entre vocês falsos mestres. Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras, chegando a negar o Soberano que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. Muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens e, por causa deles, será difamado o caminho da verdade. Em sua cobiça, tais mestres os explorarão com histórias que inventaram. Há muito tempo a sua condenação paira sobre eles, e a sua destruição não tarda. 2 Pedro 2:1-3

Ou seja, a justiça no final triunfará. Graças à Deus! Paz e bem.