Atalho do Facebook

FICAMOS ALEGRES COM SUA VISITA

ESPERAMOS, QUE COM A GRAÇA SANTIFICANTE DO ESPIRITO SANTO, E COM O DERRAMAR DE SEU AMOR, POSSAMOS ATRAVÉS DESTE HUMILDE CANAL SER VEÍCULO DA PALAVRA E DO AMOR DE DEUS, NÃO IMPORTA SE ES GREGO, ROMANO OU JUDEU A NOSSA PEDRA FUNDAMENTAL CHAMA-SE CRISTO JESUS E TODOS SOMOS TIJOLOS PARA EDIFICACÃO DESTA IGREJA QUE FAZ O SEU EXODO PARA O CÉU. PAZ E BEM

AGRADECIMENTO

AGRADECEMOS AOS NOSSOS IRMÃOS E LEITORES, POR MAIS ESTE OBJETIVO ATINGIDO, É A PALAVRA DE CRISTO SEMEADA EM MILHARES DE CORAÇÕES. PAZ E BEM

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Sentimento de culpa

Existem culpas pequenas e grandes. As que permanecem por algumas horas e as que nos perseguem pelo resto de nossas vidas. As primeiras são os pecadinhos diários, as mentiras bobas, os pequenos deslizes que em algumas ocasiões até nos impedem de dormir...mas são passageiros e acabam se tornando banais, sem que nos déssemos conta. As segundas, são terrivelmente pesadas para carregar e podem destruir toda uma vida.

São raras as pessoas que ao sentir a condenação dos outros pelo que fizeram no passado, não procuram defender-se ou justificar-se, mas não há quem as condene pior que elas mesmas, procurando aliviar o sentimento de culpa com razões que desculpem esse sentimento. A questão não é os acontecimentos sem consequências que fazem parte das culpas nossas de todos os dias e nos perdoamos com essa mesma facilidade com que cometemos erros. A questão é pelas culpas que chegam sozinhas, os acidentes dos quais nos responsabilizam, as perdas e sofrimentos dos quais podíamos evitar se tivéssemos feito isto ou aquilo e acabamos nos condenando a cada instante.

Os auto castigos não resolvem nada. Eles afastam a felicidade, não corrigem os erros, não compensa as dores. O abandonar-se não nos faz seguir adiante. Dormir mais horas para não ver passar os dias e as noites não vai diminuir o tempo determinado por Deus para a vida de cada um; tentar encurtar esse tempo, dom de Deus, por meios próprios, apenas aumentará uma condenação eterna que ninguém merece.

Somos nós mesmos nossos próprios juízes mais severos e também nossos mais duros fiscais. Ainda que com todo o amor, com toda a compreensão e com toda a ajuda possível, não podemos liberar as culpas. Essa liberação não procede de nosso interior, de nosso eu, mas vem com ajuda daquele que sendo o TODO, nos prometeu também um novo coração.. 

Então... o anjo que o Senhor nos prometeu para nossa companhia, nos disse o seguinte: não importa em quantos pedaços se quebrou seu coração, Jesus pode restaurá-lo; não importa o que tens feito, por onde tens andado nem os caminhos que tens escolhido, Jesus te ama acima de suas escolhas; não importa quantas vezes tens caído e quantas vezes tens levantado, Jesus pode levantar-te de uma vez por todas; não importa qual foi seu pecado e se os homens te condenaram ou te absolveram, Deus te absolve e se Deus te absolve... creia: Você é livre!

Se é verdade que é suficiente a carga nossa de todo dia, por que então insistimos em levar para o dia seguinte nossas dores e transgressões? E há ainda quem queira carregá-las para a semana seguinte, mês seguinte e ano após anos... Se apegam ao sofrimento, ao ressentimento, como se apegam a essas coisinhas que guardam em suas gavetas, sabendo que elas são inúteis, mas não tem coragem de desfazer delas. Vivem com o lixo de suas existências, quando tudo seria mais claro e limpo com o coração renovado. 

As marcas e cicatrizes estão aí para lembrar da vida, do que fomos, do que fizemos e do que devemos evitar. Ainda que tenham inventado uma cirurgia plástica da alma, onde se pode tirar todas nossas vivências e deixarmos como nova nossas vidas. Menos mal. Não devemos esquecer de nosso passado, de onde viemos, de tudo o que fizemos, dos caminhos que atravessamos. Não podemos esquecer de nossas vitórias, nossas derrotas e nossas lutas. Menos ainda das pessoas que encontramos, essas que direcionam nossas vida, muitas vezes sem saber.

O que não podemos é carregar todos os dias o ódio, o rancor, as feridas e o sentimento de derrota. Crendo ou não, perdoar uma pessoa que nos feriu, doí mais a ela do que o ódio que possamos sentir toda uma vida. As velhas ofensas se refletem em nosso rosto e em nossos atos moldando nossa existência. 

Precisamos com muita ousadia abrir a gaveta de nosso coração dizendo: eu não necessito mais disto. Quando apenas recordamos das festas, do bem que nos fizeram, das rosas secas mas cheias de amor, haverá espaço para novas experiências, para novos encontros. Estaremos mais leves de sermos carregados por aqueles que nos amam.

Luz atrai beleza. Com o coração aberto e limpo nos tornaremos mais bonitos e atrativos, as coisas boas começarão a suceder

Fazer a vontade de Jesus é condição para salvação



Padre Roger Luís
Foto: Maria Andréa/cancaonova.com
“Naquele dia, cantarão este canto em Judá: 'Uma cidade fortificada é a nossa segurança; o Senhor cercou-a de muros e antemuro. Abri as suas portas, para que entre um povo justo, cumpridor da palavra, firme em seu propósito; e tu lhe conservarás a paz, porque confia em ti'” (Isaías 26,1-3).

Aquele que fez a opção de viver a verdade entrará pela porta a cidade do Senhor. Nesta cidade, que será implantada no fim dos tempos, a qual o profeta chama de “céus novos e uma terra nova”, haverá realização completa, pois lá o Senhor estará presente e será tudo para todos.

É esse povo justo, cumpridor da Palavra e firme no seu propósito, que entrará na terra de Deus. Isso chama nossa atenção, porque precisamos servir e viver na graça d'Ele.

Na Palavra, vemos o Senhor que traz a imagem de duas casas: uma construída sobre a rocha e outra sobre a areia. Exteriormente, não há diferença. São duas casas iguais, mas a diferença aparece quando vem a provação, a tempestade, a ventania. Diante das tribulações, a casa construída sobre a rocha permaneceu de pé; mas, na mesma tempestade, quando soprou o vento, a casa construída sobre a areia desabou.

No Evangelho, qual a revelação que o Senhor nos traz? “Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática, é como um homem prudente, que construiu sua casa sobre a rocha” (Mateus 7,24).

A casa que não cai diante da ventania, da provação, é daquele que faz a vontade do Senhor. Você é esse homem prudente? Hoje, Deus está lhe dando a oportunidade de edificar sua casa sobre a rocha. Não caia na bobeira de achar que caridade traz salvação. Não são as caridades que nos darão a certeza da salvação, mas aquele que põe em prática a vontade do Senhor que está no céu.

Existe uma condição de salvação: fazer a vontade de nosso Senhor Jesus Cristo. 
"Deus está lhe dando a oportunidade de edificar sua casa sobre a rocha."
Foto: Maria Andréa/cancaonova.com

Meus irmãos, nós estamos caminhando, porque para nós, povo de Deus, existiu um início em Gênesis. E vai existir um fim para nós, que se chama Parusia, a vinda do Senhor para aqueles que ouviram as palavras, fizeram a vontade do Pai.

Nada do que experimentarmos nesta terra será comparada ao dia da glória do Senhor. Deus alimentou o coração do povo com a esperança; e essa esperança alarga a nossa visão para as promessas do Pai. Nosso Deus é fiel e cumprirá todas as promessas que dirigiu a nós e à Igreja.

Neste tempo do Advento, temos de colocar nossa fé no Senhor. Ele é a rocha eterna e quer que entremos na terra nova.

Papa Bento XVI nos deu a encíclica “Salvos pela Esperança”. Ele está nos preparando para a vinda gloriosa do Senhor. Ele nos fala sobre a esperança que não nos decepciona, na esperança de que o mal não vai vencer. Em 2012, no mês de outubro, começará o Ano da Fé. Amor, caridade, esperança, fé. Que presente o Papa tem nos dado!

“Esperar, no sentido cristão, significa saber da existência do mal e, apesar disso, olhar com confiança para o futuro” (Papa Bento XVI quando ainda Cardeal Ratzinger).

Meus irmãos, não se deixem seduzir por este mundo, porque este não é o nosso mundo. “A vida eterna é o nosso futuro, portanto a força que marca a nossa história” (Papa Bento XVI).

Transcrição e adaptação: Michelle Mimoso

Encontramos Cristo



A pessoa que tem um encontro com Jesus, faz o caminho de volta, pois, mesmo que esteja perdida entre os vícios da vida, ela é trazida de volta à casa do Pai, por causa desse amor.
Eliana Ribeiro e Thiago Tomé
Foto: Wesley Almeida

Muitas vezes, após termos nosso encontro com o Senhor, somos decepcionados por não ter nossas intenções atendidas. Diante de Deus apresentamos nossos sentimentos e não somos correspondidos. Com certeza, todos nós já tivemos nossos momentos de contestação, nos quais nos colocamos diante do Senhor questionando por que Ele não não ouve nem atende nossos mais profundos desejos.

Mas quem entra a serviço do Senhor deve estar disposto a abrir mão das suas vontades e dos seus desejos para que seja feita a vontade d'Ele.

E o esforço deve continuar nos acompanhando em toda nossa caminhada, pois as tentações vão surgir em todos os momentos e, infelizmente, vamos cair algumas vezes. Mas o que realmente importa não é quantas vezes caímos, e sim quantas somos capazes de levantar.

É muito mais importante o nosso segundo encontro com Cristo, pois o primeiro somos levados pela empolgação, mas o que realmente nos firma e fundamenta são os encontros [com o Senhor] seguintes. Quando confirmamos nossa fé e a nossa vontade de servir a Deus.

"A comunhão diária é a maior confirmação da nossa fé e do amor de Cristo em nossa vida."
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

A Palavra proclamada, com a abertura do nosso coração, tem o poder de restaurar e curar tudo, pois estamos falando das palavras do próprio Deus. São muitos os testemunhos de jovens que são libertos dos vícios por meio da Sagrada Escritura.

Encontre na Palavra de Deus a vitória de Deus, pois é com a ajuda dela que Ele nos convida para fazer uma experiência única, não uma experiência de momento, na qual somos conduzidos por algo passageiro, mas sim uma experiência permanente, por meio da qual somos guiados pelo caminho da santidade e confirmamos nossa vontade de seguir a Deus Pai.

Nós precisamos atualizar o nosso encontro pelos meios que a Igreja nos proporciona. A comunhão diária é a maior confirmação da nossa fé e do amor de Cristo em nossa vida. A oração do terço é uma arma fortíssima contra o mal, que ronda constantemente nossa vida, assim como a adoração ao Santíssimo Sacramento, na qual encontramos o Cristo exposto, diante de nós.

É na Igreja que encontramos Jesus diariamente, em nossa comunidade, pois não somos bons sozinhos. O apoio do irmão é essencial para nos fortalecer e fazer com que sejamos capazes de continuar nossa caminhada.

Portanto, Deus nos dá as armas necessárias para prosseguirmos na nossa caminhada: a Palavra, a Eucaristia e a comunidade são as principais, porque estamos sujeitos a passar pelas tribulações impostas pela vida. Mas com Cristo, que é vitorioso, somos capazes de proclamar que vale a pena ser de Deus.

O segredo da felicidade é o amor


A Palavra de Deus hoje para nós é maravilhosa porque fortifica nosso coração. O apóstolo Paulo nos transmite a mensagem de que o "jamais" [no versículo 8] significa que é eterno, porque, como é mencionado no Evangelho de São João: Deus é amor, por isso, o amor é eterno.

São Paulo, de forma maravilhosa, mostra o caminho para a comunidade Coríntios alcançar os dons elevados, o caminho do amor. Dessa forma, o apóstolo ensina também o segredo da felicidade e revela a importância do mais nobre dos sentimentos [amor] para aquela comunidade.

O apóstolo dos gentios prega sobre Jesus crucificado com receio e muito temor, mas também como uma demonstração do poder do Espírito Santo. E falar sobre Jesus crucificado era um escândalo para judeus e loucura para pagãos, mas para todo aquele que crê é poder de Deus.

Na passagem bíblica de hoje, esse grande santo da Igreja reflete sobre o amor que se manifesta no Crucificado e mostra um Deus apaixonado, que se manifesta em nosso meio por intermédio de Seu Filho Jesus. Podemos perceber claramente a paixão do apóstolo por Jesus Cristo. Façamos hoje uma reflexão sobre nossos relacionamentos e sobre a paixão e o amor.

Muitas vezes, nós nos equivocamos entre a paixão e o amor, pensamos que são duas coisas distintas, que a paixão é ruim e que só o amor é bom. Mas hoje Deus nos ensina, com a ajuda de Paulo, que a paixão está imbuída de amor.

O amor e a paixão são como uma maça envolta numa calda de caramelo, resultando numa maçã do amor encontrada em quermesses. Se lambermos somente a calda, vamos nos enjoar facilmente e não vamos comer a fruta. Para isso não acontecer é preciso morder a calda junto com a maça, que dará um ótimo sabor quando misturados. A paixão é como essa calda, e o amor é a maça.

É importante que o casal esteja apaixonado, e como no exemplo acima a paixão não é algo ruim, mas não podemos ficar somente nela, porque ela nos remete ao amor. As pessoas que vivem somente de paixão, de aventura em aventura, jamais fazem a experiência do amor.

O amor tudo crê, espera e suporta. Peçamos a Deus a graça de caminhar na fé e no amor. Esse é o remédio para muitos relacionamentos durarem: o amor, que desculpa tudo, crê em tudo, espera tudo e suporta tudo.

Alexandre Oliveira
Missionário da Comunidade Canção Nova