Atalho do Facebook

FICAMOS ALEGRES COM SUA VISITA

ESPERAMOS, QUE COM A GRAÇA SANTIFICANTE DO ESPIRITO SANTO, E COM O DERRAMAR DE SEU AMOR, POSSAMOS ATRAVÉS DESTE HUMILDE CANAL SER VEÍCULO DA PALAVRA E DO AMOR DE DEUS, NÃO IMPORTA SE ES GREGO, ROMANO OU JUDEU A NOSSA PEDRA FUNDAMENTAL CHAMA-SE CRISTO JESUS E TODOS SOMOS TIJOLOS PARA EDIFICACÃO DESTA IGREJA QUE FAZ O SEU EXODO PARA O CÉU. PAZ E BEM

AGRADECIMENTO

AGRADECEMOS AOS NOSSOS IRMÃOS E LEITORES, POR MAIS ESTE OBJETIVO ATINGIDO, É A PALAVRA DE CRISTO SEMEADA EM MILHARES DE CORAÇÕES. PAZ E BEM

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Ser feliz na simplicidade

Enquanto jovens, achamos que a felicidade está relacionada a uma vida de prazeres, riquezas e prestígio social. O tempo passa e a gente descobre que correu atrás do tesouro errado e acabou morrendo na praia. Por que? A felicidade é um estado de espírito que independe de estímulos externos percebidos por nossos instintos naturais. Um boa noção do que isso quer dizer está na cerimônia do "lava-pés", onde Cristo lavando, inclusive os pés de Judas, volta a vestir sua capa, retornando ao seu lugar na mesa e fazendo a seguinte pergunta: “E aí? Vocês entenderam o que lhes fiz?” O Mestre não espera nenhuma resposta e acrescenta: “Vocês falam a verdade quando dizem que eu sou Mestre e Senhor. Pois bem, se mesmo mantendo tão alta posição, me rebaixei a condição de escravo, vocês devem também se rebaixar e lavar os pés uns dos outros”. Isso era algo totalmente diferente do que eles esperavam de um líder como Jesus. Mas quem ousaria questioná-lo? “Agora que vocês sabem esta coisas, felizes serão se as praticarem”(vs. 17) . Sim, foi o que ele disse: "serão felizes se..."

O que o Mestre dos mestres quis dizer é que a tal da felicidade depende de um relacionamento correto com Ele mesmo, na condição de Mestre (didáskalós - professor) e de Senhor (kúriós - dono, proprietário). Quer ser feliz? Admita que você ainda não entendeu a vida: sua dinâmica, sua trajetória, suas nuances. Reconheça que precisa de um "kúriós", um Senhor, um mentor que te guie pelos caminhos tortuosos do ser e do saber.

O que Jesus quis dizer também é que a felicidade está relacionada a um estilo de vida simples, descomplicado, de serviço humilde ao próximo. Para Cristo matar a fome de uma multidão de cinco mil homens (fora mulheres e crianças) ou ser aclamado na entrada triunfal de Jerusalém, não eram eventos mais importantes que lavar os pés fedorentos de seus doze amigos. Ser feliz é ser simples e serviçal, relacionando-se corretamente com o Senhor do universo: Jesus. Entendeu?

Meu fardo é leve

"Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobre carregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós meu jugo e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve." (Mt. 11:28-30)

O evangelho de Mateus foi escrito com o intuito de testificar que Jesus era o Messias prometido ao povo de Israel, e, que, Sua missão consistia em trazer o reino de Deus até os homens, isto é, proporcionar a plena reconciliação da humanidade com Deus.

Nesse contexto encontramos Jesus caminhando pelas cidades de Israel quando se depara com pessoas cansadas, sobre carregadas e necessitadas de alívio. Nesse ponto temos um contraste: de um lado encontramos Jesus, o filho unigênito de Deus e digno de toda glória, honra e louvor. Do outro lado temos o povo cansado, ferido e necessitado do alívio que só Jesus podia conferir. Cristo, demonstrando a graça de Deus, não espera que o povo clame por alívio, mas num gesto de pura bondade e humildade exclama "Vinde a mim!".

Mas por que o povo precisava ir até Jesus? Qual era o jugo que estava sobre carregando o Israel de Deus? No tempo de Jesus, os judeus iniciavam os estudos da palavra de Deus aos seis anos de idade. Apenas alguns poucos afortunados conseguiam prosseguir seus estudos aos pés de algum Rabino, isto é, mestre da lei. No entanto, esses mestres da lei determinavam que seus seguidores cumprissem algumas exigências que estavam além da lei de Deus. Por este motivo o povo estava sobre carregado. O ideal de justiça que os doutores da lei pregavam ser o necessário para a salvação era alto demais! O povo não conseguia cumprir essa exigência e sentia o peso do pecado sobre carregando suas costas.

Eis que surge Jesus, o Mestre dos mestres e oferece o jugo suave, afinal, os mandamentos de Deus não são um peso (1 Jo.5:3), pelo contrário, aquele que os pratica será como uma árvore plantada junto às correntes de águas, dará o fruto na estação correta e suas folhas nunca murcharão (Salmo 1). Jesus confronta o peso da religiosidade com a maravilhosa graça de Deus e convida o povo de Israel a aprender com ele, que é manso e humilde. Os mestres da lei não são mansos, eles cobram uma postura rígida demais e suprimem a liberdade em Cristo em detrimento do jugo de escravidão (Gl. 5:1). Também não são humildes, pois, elevam as suas interpretações do texto sagrado como a única verdade, negando a Verdade de Deus. Jesus sim é o único que pode nos conceder descanso, pois, ele é o bom caminho do qual falou Jeremias (Jr. 6:16) e quem anda pelo bom caminho acha descanso! E Jesus não é apenas o bom caminho, mas o único caminho para se chegar ao Pai (Jo. 14:6). Pensemos nisto e nos submetamos ao suave jugo de Jesus, pois, nele encontramos descanso para as vicissitudes da nossa alma. Paz e bem

Cruz loucura ou sabedoria ?

Não somos obrigados a entender tudo, mas devemos procurar entender muitas coisas. É complicado uma pessoa que deteste física e química compreender alguns fenômenos que existem na natureza. Esses fenômenos acabam se tornando loucura para quem não entende, porém sabedoria para quem estuda a respeito deles.

O interessante é que o
Cristianismo enxerga o mundo também dentro de um duelo entre sábios e ignorantes. A Bíblia faz uma distinção entre aquelas pessoas que conseguem entender as coisas espirituais e aquelas que não entendem. Não se preocupe, não é uma nova teoria, é uma realidade cristã.

Paulo diz que “certamente a palavra da cruz é loucura para os que se perdem” (1ª Co. 1:18). Mas o que ele quis dizer com “os que se perdem”? De maneira simples, posso dizer que aqueles que estão “se perdendo” são pessoas que não têm Jesus Cristo como seu legítimo pastor (
Jo. 10), que não compreendem que necessitam da salvação e que não entendem porque precisam ser submissos a Deus.

A “palavra da cruz” realmente é uma loucura para os que não compreendem o significado da vinda, morte e
ressurreição de Cristo. “Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente” (1ª Co. 2:14).

Tentar entender que Deus tem um único filho, o envia para a Terra, o faz sofrer, ser humilhado e crucificado não é tão fácil. E quando se sabe que este filho era ao mesmo tempo Deus (pois Deus é um só, mas manifestado em três pessoas: Pai, Filho e Espírito), é que a coisa complica... Como Deus desejaria ser humilhado por sua própria criação? Acaso algum rei ou grande líder desejou ser humilhado pelos seus servos? Se nenhum líder nunca desejou isso para si, por que Deus desejaria?


Quando Paulo diz que “nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para judeus, loucura para os gentios” (1ª Co. 1:23) ele quer afirmar que essa suposta loucura era na verdade a maior das sabedorias. Os gregos achavam graça num homem que se dizia Deus e não tinha poder o suficiente para sair da cruz. A grande questão é que estes gregos eram pessoas que estavam “se perdendo” e eram “homens naturais” (1ª Co. 2:14a), por isso não compreendiam o que Jesus estava fazendo naquela cruz.


Talvez, você leitor, também ache ridículo um Deus ser humilhado em uma cruz. Se assim você acha, saiba que você não consegue enxergar a sabedoria nesse sacrifício porque você não pode entender as coisas espirituais, por ser um homem natural. E o que significa ser natural? O homem natural é aquele que não foi lavado pelo sangue de Jesus, aquele que não consegue entender a “loucura” da cruz.


A verdade é que os homens são pecadores, mas Deus quis salvar alguns deles. A “loucura” da cruz consiste em Deus ter sacrificado seu filho, para que o sacrifício do filho (um alguém totalmente santo e sem pecados) pudesse aplacar a ira de Deus e fazê-lo aceitar a salvação de algumas pessoas. É isso mesmo: Deus é quem aceita, e não o contrário. Isso parece loucura, mas não é.


É algo complexo, mas não é difícil de entender. Só podemos chegar a Deus através de Jesus. Não poderíamos ter acesso ao Pai se Jesus não tivesse morrido na cruz. Não poderíamos ter esperança de salvação se Jesus não tivesse ressuscitado. Essa é a loucura da cruz. Deus não ouviria nossas orações se Jesus não tivesse existido e se sacrificado em uma cruz. Isso é o que significa “loucura” para os homens “naturais”.


Mas Paulo fala ainda mais. Depois que ele afirma que a “palavra da cruz é loucura para os que se perdem”, explica que “para nós, que somos salvos, é o poder de Deus” (1ª Co. 1:18). Ainda assim, talvez você não tenha entendido... Mas saiba que a “palavra da cruz é poder”, pois é poderosa para transformar vidas e salvá-las. Eu espero sinceramente que você que não é crente e teve a curiosidade de ler o texto possa ter sua mente aberta pelo Espírito Santo para compreender esta “palavra da cruz”, que é mais sábia do que a sabedoria dos homens! Paz e bem.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Como será o amanhã ?

"O Senhor fez todas as coisas para atender aos seus próprios desígnios, até o ímpio para o dia do mal. O coração do homem planeja o seu caminho, mas o Senhor lhe dirige os passos." (Pv 16.4,9)

Estava a ler o texto “Do que você tem medo?” de Robert Tamasy, vice-presidente de comunicações da Leaders Legacy, e me liguei que atualmente o maior medo das pessoas é do futuro.


O que vai acontecer? O que ou quem vou perder? O que vou ganhar? O que vou ser? São estas as perguntas que mais perturbam as mentes. E isso é inculcado em nós desde crianças pelos próprios pais, parentes, amigos e até pela própria igreja. Somos disciplinados a se preocupar com o futuro muito cedo.

Sou líder de juventude e percebo o quanto a galera está ficando estressada e ansiosa, principalmente os vestibulandos. É preocupante ver como estão perdendo oportunidades de usufruir da mocidade em busca de traçar um futuro de sucesso planejado por eles mesmos. Chego ao ponto de dizer a alguns que “tudo o que os professores de pré-vestibular dizem é mentira”, isso em relação a: o vestibular não é um bicho de sete cabeças, não determina o futuro de ninguém, nem desqualifica a pessoa – é apenas uma fase da vida. Acho que tem gente lendo isso e pensando: esse cara é louco!

Sei que não sou um bom exemplo para falar disso. Fiz nove vestibulares e passei em apenas um, mas fiz quatro concursos e passei em dois. Hoje me considero uma pessoa bem sucedida e realizada porque usufruo o que tenho sem me arrepender do que vivi na minha juventude. Infelizmente, muitos adolescentes e jovens hoje correm o risco de chegar numa certa idade e se arrepender do que fez e do que não viveu.

Não estou aqui pregando um carpe diem (aproveite o momento) louco e irresponsável, não. Entendo a necessidade de percorrer essa fase vestibulanda com responsabilidade para galgar uma carreira profissional. Entretanto, tem muita gente forçando o próprio futuro sem saber se haverá sucesso.

Quantos já perguntaram a Deus qual o futuro que Ele deseja? Quantos estão batendo cabeça e teimando com Deus em fazer o que quer? Quantos estão se fazendo de surdos para a voz de Deus? Vocês não entendem que é mais gostoso ouvir a Deus e seguir os planos divinos?! Muitos seriam poupados do sofrimento!

Então, peço a todos os que lêem este texto para, antes de planejarem o seu futuro, perguntarem a Deus qual a vontade Dele para vocês. Não joguem a vida no lixo.

"Entrega o teu caminho ao SENHOR; confia nele, e ele o fará." (Sl 37.5)


"Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais." (Jr 29.11)

"Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o SENHOR. Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos." (Is 55.8,9)

"Andareis em todo o caminho que vos manda o Senhor, vosso Deus, para que vivais, bem vos suceda, e prolongueis os dias na terra que haveis de possuir." (Dt 5.33)

Façam a vontade de Deus acima de tudo para não terem um futuro sombrio. Deus abençoe a todos!

Entregues à vontade de Deus

"Entregue suas preocupações ao Senhor, e Ele o susterá; jamais permitirá que o justo venha a cair." (Salmos 55:22)

Hoje vamos falar de duas pessoas comuns, como nós, porém muito especiais para Deus. Eles disseram sim ao Senhor para que os planos maiores de Deus fossem cumpridos em suas vidas.


José e Maria viram seus planos e sonhos de recém-casados serem mudados pelo Senhor, tudo isso para que se cumprissem os planos de Deus e viesse ao mundo (Jesus Cristo) àquele que desde o início fora prometido para esmagar a cabeça da serpente (Satanás) e nos reconciliar com Deus.

Questiono-me se temos esta mesma predisposição, se realmente estamos preparados para mudar todos os planos que traçamos para nossa vida, ouvir a voz de Deus e obedecer-lhe sem restrições, como fizeram José e Maria. Imaginem este casal, nos primeiros momentos, vendo seus sonhos “indo por água abaixo” com esta notícia!


Um verdadeiro caos, não!?

Podemos observar no relato bíblico que, apesar dos seus temores, José ouviu a voz de Deus e se dispôs a obedecer. Ele não havia tido nenhum tipo de intimidade com Maria, não teria o privilégio do primeiro filho e ainda corria o risco de se envolver em um grande mal entendido com a família da sua noiva, no entanto aguardou com sabedoria o cumprimento dos dias para que Jesus viesse ao mundo, ele assumiu, protegeu e amparou Maria. Colocou-se inteiramente à disposição dos desígnios de Deus. Com toda humildade, eles obedeceram a Deus, amaram e cuidaram de Jesus.


A palavra de Deus nos diz que: “O temor do SENHOR é a instrução da sabedoria, e precedendo a honra vai a humildade.” (Provérbios 15:33)


Muitas vezes queremos ser honrados, mas não queremos obedecer, este casal foi citado nas escrituras e honrado porque foi obediente e dedicado aos propósitos do Senhor. Em Lucas 1:48 Maria diz em seu cântico: “...desde agora todas as gerações me chamarão *bem aventurada.” *Merecedora do amor, do cuidado, da presença constante e da graça de Deus.


Será que hoje, Deus encontraria disposição em mim e em você para entregar a Ele nossa vida, sonhos, planos, tempo... Nossos “momentos especiais”? Será que vivemos: “... abro mão dos meus sonhos, abro mão dos planos, abro mão da minha vida por ti...” Vivemos isto?

Queremos viver isto?

Que possamos passar de ouvintes à praticantes da palavra de Deus.


“Finalmente, irmãos, vos rogamos e exortamos no Senhor Jesus, que assim como recebestes de nós, de que maneira convém andar e agradar a Deus, assim andai, para que possais progredir cada vez mais.” (Apóstolo Paulo)


O nosso progresso de cada dia acontece quando agradamos a Deus e andamos com Ele.

DIVINA PESPECTIVA

O fracasso muitas vezes nos visitará em algumas tentativas de sucesso e elevação, mas isso não é motivo para auto piedade e desgosto, porque muitas vezes o ''fracasso de nossos anseios significa uma ordem do alto para mudanças de rumo ou de foco. As portas se fecham ou se ''mostram fechadas'' à nossa necessária renovação. Deus é hiperbolicamente inteligente e sabe disso; erros passados, lágrimas choradas, tristezas contraídas são desajustes crônicos que nos tornam egoístas, onde o centro do nosso universo é o nosso EU, coitadinho de mim.

A verdade é que esse egoísmo nos torna desatentos diante dos outros, cultivamos indiferença ou ingratidão e raras vezes esquecemos que é possível refazer atitudes e iniciar de novo, oferecendo bondade e compreensão àqueles que nos cercam. Efetivamente, quando desprezamos as oportunidades e tarefas que nos são concedidas na obra do Senhor voltamos tarde a fim de reassumi-las, para alguns pode ser tarde demais, para outros, uma nova chance, mas para Deus nunca é tarde demais.

Fé e firmeza é o que o Eterno espera de nós. O resto é consequência. Só teremos convicção dos mandamentos de Deus provando-os, experimentando-os e tomando atitudes. Falhamos quando não fazemos isto; falhamos quando enfrentamos o mundo com um visão negativa e limitada. Falhamos quando em nosso dia a dia, usando verbos no imperativo, damos ordem a Deus: ''cuida da minha casa, proteja meus negócios, olha meus filhos, me dê um casamento feliz, etc, etc. Raras são as vezes que chegamos a Ele em adoração e submissão, queremos o que é nosso por direito. Exigimos. Agimos como se estivéssemos dizendo para Deus: ''me dá licença, sou eu que estou no comando e não o Senhor''.

Quando alimentamos essa imaturidade espiritual fracassamos. Esquecemos que a própria sabedoria divina determina que para conhecermos a Deus é necessária uma experiência diária com Ele em todas as dimensões. Essa comunhão nos ajudará a aceitar os fracassos que estamos vivendo e que muitas vezes não conseguimos entender para que e o porquê deles. Assim, aprendemos a ver as circunstâncias através de uma perspectiva divina e não negativa, limitada e humana.

Ao interagir com Deus, vem o entendimento a disposição do saber que Deus fala com o Espírito e que ''o homem terreno não aceita o que vem do Espírito de Deus, pois é uma loucura para ele. Não o pode compreender, pois só de modo espiritual pode ser avaliado'' (1 Cor 2: 14). Portanto, é nessa ótica que somos levados a refletir que as coisas espirituais são discernidas e não entendidas.

Ultimas palvras

Ainda era de manhã. Cristo na cruz em agonia contempla a linda Jerusalém, certamente lembrando-se de tudo que viveu. A expulsão dos cambiadores, ele batizando, cura do paralítico no Tanque de Betesda, a cura de um cego de nascença, ele sendo ungido por Maria, as parábolas contadas, lavando os pés dos discípulos, ele no Getsêmani, preso e arrastado, o inquérito preliminar, a condenação pelo Sinédrio, perante Pilatos, diante de Herodes Antipas, de novo Pilatos, na cruz; a lembrança da entrada triunfal deve ter arrancado um sorriso de seus lábios...

De repente Ele clama: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem.” Ainda ora pelos inimigos, mostrando um amor incondicional pelos pecadores. Ainda se preocupa com eles. Não há nenhum ódio, nenhum ressentimento por parte de Cristo, ciente de seu trabalho que mudaria o mundo e revolucionaria toda a História da humanidade.

Cada vez que Ele diz uma frase faz um enorme esforço para falar. Ele precisa apoiar o seu corpo em cima dos pregos, sentindo uma dor tremenda. Um pouco de ar entra nos seus pulmões e ele consegue dizer isso. Mas enquanto Ele apoia os pés nos dois pregos, suas mãos são rasgadas, senti uma dor insuportável. Ele se move de novo e diz: “ Em verdade, em verdade te digo, hoje estarás comigo no paraíso.” Foi o que Ele falou para um ladrão, sofrendo a mesma pena, com a diferença de que Ele era pecador, Cristo, um santo, impecável, a Raiz de Jessé. Foi perdoado e teve a vida mudada.

Sua mãe estava por lá observando tudo. Sabia que estava só, precisando de companhia. Foi então que disse para João cuidar dela. Outro esforço lacinante. Outra dor atroz atravessando seu corpo.

“Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” O sofrimento psicológico não teve paralelo na História. Era muito desamparo para Cristo. A dor do desprezo de Deus por causa do pecado de toda a humanidade. Isaías já previra isso no capítulo 53. Estava sofrendo conscientemente. E o tremendo esforço para fazer isso. Todas aquelas dores.

Na parte da tarde, ele disse: “Tenho sede!” A angústia física estava incomodando demais aquela hora. Algo que já estava predito no Salmo 69. 21. Sua sede foi “satisfeita” por um “piedoso” soldado. Mais sofrimento ainda. Dizer essas frases era esforço demais. Enquanto isso Ele olhava para Jerusalém e se lembrava de tudo que viveu até ali. A infância em Nazaré, a juventude na Galileia, a escolha dos discípulos...

Agora Ele disse algo que encerrou tudo o que tinha feito. “Está consumado!” Resumia tudo que havia feito. A obra perfeita. Todo o plano concluído com sucesso. Os pecadores seriam salvos e o plano da salvação estaria realizado. Toda a profecia cumprida desde Gênese. Todas as promessas realizadas até ali. A justiça da Lei cumprida, o Império da Morte sofreu uma derrota impressionante, sem paralelo na sua história. Levou cativo o Cativeiro e deu dons aos homens (Ef 4.8).

“Pai, nas tuas mãos entrego meu espírito!” O final perfeito. Agora começou de fato o que desde a Eternidade estava planejado. “O Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.” Não foi um acidente nem uma fatalidade. Não foi um líder revolucionário que foi morto por um sistema ou uma elite medrosa de perder o poder vigente que o matou.

Foi o Filho do Homem que entregou sua vida, o Filho de Deus. O Cordeiro imaculado e incontaminado, o Cordeiro Pascoal, o Bode Expiatório, a Raiz de Davi, A resplandecente Estrela da Manhã, o Emanuel, a Luz do Mundo, o Tema da Bíblia, o Alfa e Ômega, o Criador do Universo, o Resgatador, o Bispo das Almas, o mais Valente, o Todo-poderoso, o IAHWEH, JAVÉ, EL OLAM, IEHOSHUA, o Renovo, O Nazareno, o Galileu, o Quarto Homem, o Que Veste Finos Linhos, o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores, o Que Venceu para Abrir O Livro, O Que Julga As Nações, O Humilde de Coração, A Posteridade, Siló, A Estrela de Jacó, o Abençoador, O Dono da Sabedoria, O Rei no jumentinho, O Desejado das Nações, o Recompensador, O Intercessor, Consolador, Advogado Fiel, O Parácleto, O Justo, A Fonte da Verdade e da Justiça...

Foi Ele que morreu por todos, por cada um, para formar um novo povo onde não há nem judeu, nem grego, nenhum gentio, mas só a igreja por todos os séculos... Amém.

Uma familia muito cruel

Uma familia super unida que não mede esforços, mas trabalha diuturnamente no afã de desestabilizar e destruir a sociedade.Sua ação deletéria se faz sentir em todas as camadas sociais. Ela vem em tom de brincadeira e assume o seu posto, impregnada de fantasias e boas intenções.Acena com facilidades, ganhos e sucesso rápido e assim atrai milhões de incautos prendendo-os em sua teia perigosa e multicor. Passado esse estágio, vem a realidade sempre amarga, cruel e impiedosa.

Fumo, álcool e drogas - não necessariamente nesta órdem - formam esta familia sádica e desumana. Todos os componentes atuam em conjunto minando a saúde, afetando o caráter e tornando os seus dependentes reféns, que aos poucos vão sendo acorrentados e algemados sob promessas de auto-afirmação e muito sucesso. Uma brincadeira (na verdade, um pesadelo) que por fim toma conta da pessoa e tem um desdobramento de extremo sofrimento.

Tudo é possível e acontece pouco a pouco de forma programada e crescente. A primeira experiência, em geral, é dolorosa e causa náuseas e repugnação. Aos poucos, entretanto, a pessoa vai se acostumando, gostando e por fim se viciando.Muitos começam a fumar por brincadeira ou simples passatempo, sem imaginar a realidade que os espera. Com o álcool acontece a mesma coisa, ou seja, a pessoa começa a beber doses socialmente, como se diz. Com o tempo, o organismo pede doses maiores e eis que em pouco tempo está pronto um novo alcoólatra, um doente muitas vezes incurável.Tanto num caso como no outro, o ideal é não começar.Todavia, se você já começou talvez ainda haja tempo de parar.

O fumo mata, reduz o usuário a um monte de ossos afetado pelo cancer ou outra doença fatal.No Brasil, morrem mais de 200 mil pessoas por ano, segundo dados do Miistério da Saúde, por doenças provocadas pelo fumo. No mundo, morrem mais de 3 milhões de pessoas por ano, segundo dados da Organização Mundial da Saúde. O que o leitor acha destes números? O alcoolismo mata diariamente, principalmente em acidentes de transito ou em brigas de bar ou entre vizinhos. Sabe-se que a pessoa alcoolizada perde a coordenação e a noção do perigo ou da razão e se torna um matador em potencial. O que dizer das outras drogas que praticamente tem dominado o mundo?Elas se transformaram no maior pesadelo do mundo e tem subjugado milhões com uma ação destruidora sem paralelos na história da humanidade. Os governos promovem cruzadas antidrogas, instauram CPIs do narcotráfico, entretanto esa peste se alastra em todos os segmentos da sociedade, principalmente entre os mais jovens. Este é o maior desafio deste século.

Amigo leitor, quando esta familia bater à sua porta, diga não. Deixe-a para fora da sua casa. Não atenda, não receba, não ouça as suas insinuações. Fumo, álcool e drogas não devem fazer parte de nossa familia, afinal, somos uma familia cristã, consciente, saudável e feliz.

Diga não a esses impostores. Diga sim à liberdade e à vida.