Atalho do Facebook

FICAMOS ALEGRES COM SUA VISITA

ESPERAMOS, QUE COM A GRAÇA SANTIFICANTE DO ESPIRITO SANTO, E COM O DERRAMAR DE SEU AMOR, POSSAMOS ATRAVÉS DESTE HUMILDE CANAL SER VEÍCULO DA PALAVRA E DO AMOR DE DEUS, NÃO IMPORTA SE ES GREGO, ROMANO OU JUDEU A NOSSA PEDRA FUNDAMENTAL CHAMA-SE CRISTO JESUS E TODOS SOMOS TIJOLOS PARA EDIFICACÃO DESTA IGREJA QUE FAZ O SEU EXODO PARA O CÉU. PAZ E BEM

AGRADECIMENTO

AGRADECEMOS AOS NOSSOS IRMÃOS E LEITORES, POR MAIS ESTE OBJETIVO ATINGIDO, É A PALAVRA DE CRISTO SEMEADA EM MILHARES DE CORAÇÕES. PAZ E BEM

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Bons hábitos

A rapidez das informações e o ritmo da sociedade nos levam a trabalhar muito e por muitas horas. Temos muitas atividades diárias: casa, trabalho, estudos, família, namoro, espiritualidade, amigos, além de manter-se atualizado com as redes sociais como entrar no Facebook, olhar o Twitter, adicionar amigos, ler jornais... Ufa! Ficou cansado? É assim que muitos de nós nos sentimos.

Criamos uma pressão em nós muitas vezes maior e nosso grau de exigência e perfeccionismo pode acentuar esta pressão interna e, com isto, a sensação de cansaço e desgaste, chegando a prejuízos em nossa produtividade e nossas emoções. Muitos de nós afirmam: preciso de um dia que tenha 48 horas. De fato, isto nunca acontecerá, mas o que fazer para, além de dar conta disto tudo, cultivar uma vida saudável?


É muito importante que possamos retomar hábitos simples, muito valiosos e que há muito tempo esquecemos. O primeiro deles: alimentação. Sim, alimentação saudável e balanceada. Querendo ganhar "tempo", comemos um alimento pouco adequado, como um salgadinho, e, em pé, tomando um refrigerante e falando ao celular. Ou seja, qual a atenção que você deu àquela alimentação?

Imagine-se repetindo isto por 20 dias ao mês e multiplicando por 12 meses. Certamente, algum problema de saúde acontecerá: desde ganho de peso, aumento de pressão, gastrite ou coisa assim. Tudo isto abrirá uma enorme porta para doenças e até mesmo uma queixa constante pelo desconforto que você ganhará se alimentando desta forma. Tudo isto para ganhar quantos minutos no seu dia?


Possivelmente, a soma real revelará que apenas perdemos tempo, qualidade de vida e muitas outras coisas. Este é apenas um exemplo simples, mas muito real na vida de todos nós.
O que tem causado um grande desconforto em todos nós é a dificuldade de darmos tempo para cada coisa em nossa vida: se o seu sentimento é de uma vida com muitos compromissos, o primeiro ponto é organizar sua agenda. Qual o horário de cada um deles? O que precisa ser realizado? O que pode ser mudado? O que não é essencial no meu dia e pode ser retirado da minha agenda? Este passo o ajudará, inclusive, a observar se tem dado tempo para seu lazer, para a convivência com a família e amigos, para seus cuidados pessoais; coisas simples que fazem toda a diferença em nossa qualidade de vida. Quando falamos em lazer, nada precisa ser exagerado ou caro. Um passeio a pé já é muito valioso!

Ao cuidar de pequenos hábitos em nossa vida, podemos pensar em:

Manter o bom humor. Tudo pode estar difícil em sua vida, mas se tivermos um olhar positivo sobre as coisas, tudo pode melhorar;
Cuidar para não fazer tudo com pressa e irritação. Seu corpo sente os efeitos disto;
Realizar atividades prazerosas e também as práticas espirituais;
Observar seus limites e procurar agir com flexibilidade frente as necessidades de sua vida. As preocupações em excesso ou o perfeccionismo não aliviarão seu dia a dia.

Cultive o "jardim" dos seus relacionamentos. Se forem cuidados como uma planta, darão flores e frutos. Família e amigos são essenciais para nosso equilíbrio afetivo-emocional. Aos poucos, com persistência em mudar, vamos percebendo que pequenos hábitos, quando cultivados, trarão grandes e efetivas mudanças em nossa vida, dando maior equilíbrio em todas as dimensões.
Foto Elaine Ribeiro
psicologia01@cancaonova.com

Mês das Missões

Celebramos no domingo, dia 23 de outubro próximo, o 85º Dia Mundial das missões e da Obra Pontifícia da Infância Missionária. Para esta ocasião, o Papa Bento XVI enviou uma mensagem, na qual recorda que, no jubileu do ano 2000, "o venerável Papa João Paulo II, no início de um novo milênio da era cristã, reiterou com força a necessidade de renovar o compromisso de levar a todos o anúncio do Evangelho, com o mesmo entusiasmo da primeira hora" (Novo Millennio Ineunte, 58). O Dia Mundial das missões reaviva em cada um o desejo e a alegria de 'ir' ao encontro da humanidade levando Cristo a todos", conclui Bento XVI.

Em nosso Continente, a Igreja tem consciência clara da necessidade da missão. O Documento de Aparecida assim inicia: "Com a luz do Senhor Ressuscitado e com a força do Espírito Santo, nós os bispos da América nos reunimos em Aparecida, Brasil, para celebrar a V Conferência do Episcopado Latino-americano e do Caribe. Fizemos isto como pastores que querem seguir estimulando a ação evangelizadora da Igreja, chamada a fazer de todos os seus membros discípulos e missionários de Cristo, Caminho, Verdade e Vida para que nossos povos tenham vida nEle" (DAp, 1).

A Igreja no Brasil propõe, nas "Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015", este objetivo geral: "Evangelizar, a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária e profética, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da profética opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida, rumo ao reino definitivo".

Em nossa diocese, as "diretrizes gerais da ação evangelizadora e pastoral na diocese de Santos" nos convocam a "evangelizar a partir do Encontro com Jesus Cristo, como discípulos missionários, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, promovendo a dignidade da pessoa, renovando a comunidade, participando da construção de uma sociedade justa e solidária, "para que todos tenham vida e a tenham em abundância" (Jo 10,10).

"O projeto de Jesus é instaurar o Reino de seu Pai, por isso, pede a seus discípulos: proclamem que está chegando o Reino dos Céus" (Mt 10,7). "Assumimos o compromisso de uma grande missão em todo o continente, que de nós exigirá aprofundar e enriquecer todas as razões e motivações que permitam converter cada cristão em discípulo missionário. Necessitamos desenvolver a dimensão missionária da vida de Cristo. A Igreja necessita de forte comoção que a impeça de se instalar na comodidade, no estancamento e na indiferença... Necessitamos que cada comunidade cristã se transforme num poderoso centro de irradiação da vida em Cristo. Esperamos em um novo Pentecostes que nos livre do cansaço, da acomodação ao ambiente; esperamos uma vinda do Espírito que renove nossa alegria e nossa esperança" (DAp, 362).

"Nós somos agora, na América Latina e no Caribe, seus discípulos e discípulas, chamados a navegar mar adentro para uma pesca abundante. Trata-se de sair de nossa consciência isolada e nos lançarmos com ousadia e confiança à missão de toda a Igreja" (DAp, 363).

"Fixamos o olhar em Maria e reconhecemos nela a imagem perfeita da discípula missionária. Ela nos exorta a fazer o que Jesus nos diz (cf. Jo 2,5). Junto com ela, queremos estar atentos uma vez mais à escuta do mestre e, ao redor dela, voltarmos a receber com estremecimento o mandato missionário de Seu Filho: "Vão e façam discípulos todos os povos" (Mt 28,19, in DAp, 364).

Nossa Senhora do Rosário, interceda para que nossa diocese se mantenha ativa na missão, em todas as regiões pastorais, paróquias e comunidades!
Dom Jacyr Francisco Braido, CS
Bispo Diocesano de Santos - SP

Perceverança a medida certa .

Uma maneira concreta de extrair a vida de alguém é roubar os sonhos que lhe são próprios. Nossos sonhos e esperanças são a força que faz a vida desabrochar dentro de nós. É triste, mas infelizmente real, nos encontrarmos contemporaneamente com muitas pessoas que já deixaram de sonhar e de acreditar que a vida pode ser melhor, que o sonho pode se encarnar e que a esperança pode florescer.

Não é custoso perceber que, na maioria das vezes, as frustrações acontecem porque se espera por coisas que não deveriam ser buscadas (esperadas). Confia-se em promessas irreais e, por fim, acaba não existindo uma concreta perseverança naquilo que é essencial e que deveria realmente ser buscado.
Existem muitos que apostam “tudo” em ilusões e em relacionamentos desleais (impossíveis), pautando a vida em realidades sem um fundamento que possa, verdadeiramente, saciar a ausência presente na vida e no coração.

A esperança é, sem dúvida alguma, a seiva motriz da vida. Porém, é preciso esperar bem, aprendendo a escolher sabiamente em quem esperar, para que assim a perseverança e a luta pelo que se sonha sejam possíveis e, esse sonho possa verdadeiramente assumir cores de realidade.
Quando se luta por sonhos ancorados em um fundamento além de nós mesmos, em que as esperanças se prendem a elementos de eternidade e se construam sob a lógica do amor, a vida começa, de fato, a ter e a ser sentido.

É preciso sonhar bem com realidades nas quais não esteja em jogo somente a “minha” (egoísta) felicidade. No ato de sonhar precisam estar contidas realizações que despertem, também em outros, a vontade de sonhar.

Enfim, detectada a veracidade e a consistência de nossa esperança (sonho), é necessário que nos lancemos no universo da perseverança, para que assim possamos construir o que buscamos, e isso a partir de nossa luta e persistência. Isso mesmo: persistência. É preciso perseguirmos nossos ideais sem nos determos nos “encantos” do caminho.

Existem muitos sonhos que o próprio Criador compôs dentro de nós. Esses são sempre possíveis e reais e necessitam de nossa perseverança para se concretizarem.
Quando o desânimo e o cansaço, sintomas próprios do caminhar, fizerem morada dentro de nós, precisaremos reagir aos mesmos ,munidos da força da perseverança e do espírito de luta, pois a perseverança é sempre a medida certa para grandes realizações.

Sem perseverança e persistência não poderá haver uma real vitória. Sem uma luta persistente, nosso sonho continuará apenas sonho. São nossas iniciativas – aliadas a um Amor maior – que os poderão trazer, com intensidade, ao protagonismo da realidade (da nossa vida).
Mesmo quando nosso sonho parecer cair por terra, faz-se necessário continuar crendo e perseverando, cientes de que toda vitória é precedida por algumas quedas e por uma concreta “não desistência”.

Independentemente do quanto já foi percorrido ou ainda falta caminhar, necessário e bom é prosseguir perseguindo a meta, não deixando de acreditar diante dos insucessos e sabendo que a perseverança é a medida certa para toda e qualquer vitória.

Não desista de seus sonhos e lute, lute sempre, pois, a vida reserva belas surpresas para aqueles que não desistem dela.

Coragem!

Pe. Adriano Zandoná
Foto Padre Adriano Zandoná

Cada Cristão é um Missionário

Quantos planos bonitos e projetos brilhantes hão fracassado ao longo da historia por falta de homens e de ombros! Para a evangelização e transformação do mundo, Deus necessita dos homens.
Necessita instrumentos convencidos, comprometidos e dispostos a dar tudo. Muitos textos bíblicos nos falam daqueles que Deus escolheu.
O povo judeu é para Deus “um reino de sacerdotes e uma nação santa”. É o povo eleito e preferido por Deus entre todos os povos da terra, para levar adiante seus planos.

Dons são tarefas. Jesus chama aos seus apóstolos e lhes entrega sua primeira missão. Devem anunciar a grande notícia da proximidade do reino; e isso não só por meio de palavra, se não também com sinais e ações concretas. Porque quando Deus elege é para dar uma missão.
Dons são tarefas. Por isso, o Senhor envia aos apóstolos e lhes confia uma tarefa. E como os doze, toda a Igreja é uma Igreja apostólica e missionária.
A Igreja não vive para si mesma, se não para ser luz do mundo, para servir a humanidade inteira, para salvar a todos os povos. Também todos nós somos enviados.
Cada cristão é um missionário. Esse tesouro imenso que recebemos - a luz de Cristo e de seu Evangelho – é para comunicá-lo a todos os homens. Como o Senhor nos indica cada cristão deve converter-se em “sal da terra”, em “luz do mundo” e em “fermento da massa”.
Não nos encerremos. Com efeito, Deus não criou a Igreja para ser uma espécie de “clube seleto” de almas privilegiadas, as que se permite acesso a certos dons reservados. NÃO.
Desde um princípio, Deus há amado a todos os homens e há querido que todos cheguem a seu coração de pai. E por isso criou a Igreja ao serviço de toda a humanidade, como instrumento e mensageira da Boa Nova de seu amor.
Os cristãos somos sem dúvida os prediletos de Deus, porque havemos podido conhecer primeiro seu Evangelho. Mas nosso privilégio é o de servir: de levar a todos os homens aqueles dons que para todos estão destinados: para que o Evangelho converta-se em luz do mundo; e para que penetre não só os corações humanos, se não também a vida da sociedade e sua cultura. O Evangelho deve assim fermentar o mundo inteiro para Cristo.

Deve vencer e sanear com sua luz tudo o que haja de trevas e pecado nele. Deve construir pouco a pouco essa grande comunhão de amor que Deus deseja com todo o gênero humano: para que todos os homens cheguem a ser filhos seus e irmãos em Cristo.
Recebemos uma luz em nosso batismo. Por isso, a Igreja não é uma ilha, uma família encerrada em si mesma, para gozar do amor que une seus membros.

A ela pertencemos para levar sua luz a todos os homens, para iluminar o caminho de todos rumo a Cristo. Os cristãos não podem permanecer enclausurados em suas comunidades ou movimentos. Estes devem ser não só seu lar e laboratório de formação, se não também seu lugar de envio. O lugar desde o qual partimos rumo aos homens, para iluminar com a luz do evangelho os problemas, as alegrias e as esperanças de suas famílias, de seus bairros, de suas escolas, fábricas ou escritórios.

“Ninguém acende uma luz - diz o Evangelho - para escondê-la debaixo de um recipiente, se não para colocá-la sobre um castiçal para que ilumine toda a casa”. No dia de nosso Batismo, todos nós recebemos uma luz - símbolo da missão da Igreja - que a partir desse momento se convertia em missão pessoal de cada um.
Padre Nicolás Schwizer
Movimento apostólico Shoenstatt

terça-feira, 11 de outubro de 2011

A Misericórdia quebra as muralhas

O essencial para nossa vida é sabermos que temos um Deus misericordioso. Não sei se vocês sabem, no Diário de Santa Faustina Jesus faz uma promessa, uma coisa maravilhosa: “Virão tempos em que todas as luzes se apagarão no céu e na terra e todos do mundo inteiro verão uma cruz luminosa e da cruz sairá raios que iluminarão toda a humanidade”. O Papa João Paulo II consagrou o terceiro milênio à misericórdia.


O demônio é o acusador que semeia em nosso coração que Deus é vingativo, que Deus fica olhando os nossos pecados para ver se estamos fazendo o certo ou errado, mas o olhar de Deus é um olhar de amor, que suscita naquele que se sente pecador, um santo. Por maior que seja o seu pecado, ele é menor que um grão de areia que se perde no oceano da misericórdia do Pai.

Todos nós temos que nos converter, e quem acha que não precisa de conversão é porque ainda não experimentou a misericórdia de Deus. Só um pecado não é perdoado, o pecado contra o Espírito Santo, e o pecado contra o Espírito Santo é não reconhecer que se é pecador e não confiar na misericórdia de Deus.

Se tem muito tempo que você não se confessa, vá ao encontro do Deus da misericórdia que nunca desiste de ti.

Partindo dali, Jesus viu um homem chamado Mateus, que estava sentado no posto do pagamento das taxas. Disse-lhe: Segue-me. O homem levantou-se e o seguiu. Como Jesus estivesse à mesa na casa desse homem, numerosos publicanos e pecadores vieram e sentaram-se com ele e seus discípulos. Vendo isto, os fariseus disseram aos discípulos: "Por que come vosso mestre com os publicanos e com os pecadores?" Jesus, ouvindo isto, respondeu-lhes: "Não são os que estão bem que precisam de médico, mas sim os doentes. Ide e aprendei o que significam estas palavras: Eu quero a misericórdia e não o sacrifício (Os 6,6). Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores" (Mateus 9, 9-13).

Jesus nunca para, sempre vai adiante. Ele sempre nos precede, está abrindo caminhos novos, indo adiante. Não há coração humano que não tenha sede ou saudade de Deus. 

O Senhor acredita em ti, assim como acreditou em Mateus que era cobrador de impostos, era considerado um bicho pelos hebreus, mas Jesus chega e diz: “Segue-me”. Apesar de todo o seu passado Jesus confia em ti, a glória de Deus é o homem vivente, é maravilhoso o olhar de Jesus. O nosso olhar é capaz de ressuscitar os mortos, através de nossos olhos Jesus quer ver o homem que Ele criou. A bênção do Senhor é eficaz quando se transforma em vida.

Peça ao Senhor que converta seus olhos para que você veja o bem dos outros. 

Deus não olha para nossas culpas, Ele afasta de nós as nossas culpas, nossos pecados. Jesus agora está te olhando e dizendo que te ama. Permita que Cristo te olhe e te ame, você é precioso para Deus, Ele derramou Seu sangue para que você fosse salvo. “Aquele que está em Cristo é uma nova criatura”.


Transcrição e adaptação: Willieny Isaias



Padre João Henrique
Sacerdote da Comunidade Aliança de Misericórdia 
Pregação feita na Comunidade Canção Nova

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

AMAR SEM O CORAÇÃO


As pessoas consagradas correm muitas vezes o risco de amar a Deus “só com a cabeça”, sem implicar o amor afetivo humano.
No entanto, rejeitar o amor humano como algo oposto ao amor de Deus pode ser um obstáculo à nova evangelização. 
Um dos âmbitos nos quais a secularização “atua de modo particularmente difuso e nefasto” é o amor. “A secularização do amor consiste em separar o amor humano de Deus, em todas as formas desse amor, reduzindo-o a algo meramente ‘profano’, onde Deus sobra e até incomoda”.
Mas o tema do amor “não é importante apenas para a evangelização, ou seja, para as relações com o mundo. Ele importa, antes de todo o mais, para a própria vida interna da Igreja, para a santificação dos seus membros”.
Segue uma análise sobre a distinção que certos teólogos fizeram entre o ‘eros’, ou amor humano e passional, e o ‘ágape’, ou amor de oblação, apoiando suas reflexões na encíclica ‘Deus caritas est’, de Bento XVI.
O amor “sofre de uma separação nefasta não só na mentalidade do mundo secularizado, mas também, do lado oposto, entre os crentes e, em particular, entre as almas consagradas. Poderíamos formular a situação, simplificando ao máximo, assim: temos no mundo um ‘eros’ sem ‘ágape’; e entre os crentes, temos frequentemente um ‘ágape’ sem ‘eros’”.
O ‘eros’ sem ‘ágape’ é um amor romântico, mas comumente passional, até violento. Um amor de conquista, que reduz fatalmente o outro a objeto do próprio prazer e ignora toda dimensão de sacrifício, de fidelidade e de doação de si.”
O ‘ágape’ sem ‘eros’, em contrapartida, é um “amor frio, um amar parcial, sem a participação do ser inteiro, mais por imposição da vontade do que por ímpeto íntimo do coração”, em que “os atos de amor voltados para Deus parecem aqueles de namorados desinspirados, que escrevem à amada cartas copiadas de modelos prontos”.
“Se o amor mundano é um corpo sem alma, o amor religioso praticado assim é uma alma sem corpo”, “O ser humano não é um anjo, um espírito puro; é alma e corpo substancialmente unidos: tudo o que ele faz, amar inclusive, tem que refletir essa estrutura.”
“Se o componente humano ligado ao tempo e à corporeidade é sistematicamente negado ou reprimido, a saída será dúplice: ou seguir adiante aos arrastos, por senso de dever, por defesa da própria imagem, ou ir atrás de compensações mais ou menos lícitas, chegando até os dolorosíssimos casos que estão afligindo atualmente a Igreja.” 
“No fundo de muitos desvios morais de almas consagradas, não é possível ignorá-lo: há uma concepção distorcida e retorcida do amor”
Por isso  a redenção do ‘eros’ “ajuda acima de tudo os enamorados humanos e os esposos cristãos, mostrando a beleza e a dignidade do amor que os une. Ajuda os jovens a experimentar o fascínio do outro sexo não como coisa turva, a ser vivida às costas de Deus, mas, ao contrário, como um dom do Criador para a sua alegria, desde que vivido na ordem querida por Ele”.
Mas também ajuda os consagrados, homens e mulheres, para evitar esse “amor frio, que não desce da mente para o coração. Um sol de inverno, que ilumina, mas não aquece”.
A chave é o apaixonamento pessoal por Cristo. “A beleza e a plenitude da vida consagrada depende da qualidade do nosso amor por Cristo. É só o que pode nos defender dos altos e baixos do coração. Jesus é o homem perfeito; nele se encontram, em grau infinitamente superior, todas aquelas qualidades e atenções que um homem procura numa mulher e uma mulher no homem”.
“O amor dele não nos elimina necessariamente a sedução das criaturas e, em particular, a atração do outro sexo (ela faz parte da nossa natureza, que Ele criou e não quer destruir). Mas nos dá a força para vencer essas atrações com uma atração mais forte. ‘Casto’, escreve São João Clímaco, ‘é quem afasta o eros com o Eros’”
                       
.
Raniero Cantalamessa
 

HUMILDADE E ORGULHO


A virtude da humildade é, sem sombra de dúvida, a principal virtude cristã, pois só o homem humilde está aberto a aprender e conquistar todas as outras virtudes.

O orgulhoso julga-se possuidor das qualidades que insinuamos precisar crescer e, portanto, torna-se refratário a qualquer crítica positiva.

O humilde, por outro lado, sabe que seu modelo é Jesus Cristo e que está muito longe de atingir esta perfeição. Por isto encara como positiva qualquer crítica que lhe façam. Como dizia uma vez um amigo, “o homem humilde tem a ousadia de mendigar críticas e sugestões”.

Veja só: “mendigar críticas e sugestões”! Será que eu sou uma pessoa capaz de mendigar às pessoas boas que vivem à minha volta críticas e sugestões?

Como distinguir a pessoa humilde da pessoa orgulhosa? Eis aí algumas sugestões:

O homem humilde é um homem que:
- reconhece sinceramente suas qualidades e seus defeitos;
- não exagera suas qualidades;
- sabe que possui qualidades, mas reconhece que o maior mérito de “tê-las” não se deve a si mesmo, mas a Deus. Como dizia S. Paulo: “que tens tu que não tenhas recebido; e se o recebeste, porque te glorias?”
- sabe que se Deus lhe deu talentos, não é para vangloriar-se, mas sim para servir o próximo, etc.

Por outro lado, o homem orgulhoso é um homem que:
- pensa que o que faz ou diz está mais bem feito ou dito do que aquilo que os outros fazem ou dizem;
- quer sempre ter razão;
- discute sem razão ou - quando a tem - insiste com teimosia e de maus modos; é teimoso;
- dá o seu parecer sem que lhe peçam;
- despreza o ponto de vista dos outros;
- cita-se a si mesmo como exemplo nas conversas;
- fala mal de si mesmo, para que lhe contradigam;
- sofre quando os outros são mais estimados do que ele;
- é impaciente (não tem paciência com o defeito dos outros), etc, etc.

Quanto maior é o orgulho, maior é o “ego”. 

Muitas vezes ouvimos dizer de alguma pessoa que tem o ego maior do que o mundo. Eu diria que, de fato, na minha experiência pessoal orientando milhares e milhares de pessoas, há pessoas que realmente são assim.

E qual é o problema de ter um ego muito grande? O problema é que o ego é altamente destruidor. É o ego muito grande que:
- destrói o casamento (quem tem o ego grande, quem é orgulhoso, só quer subir e acabará usando o outro cônjuge como pedestal);
- destrói o amor (o amor é pensar no outro e quem tem o ego grande só pensa em si mesmo);
- destrói a paz (a paz vem da harmonia, do esforço de ceder nas opiniões, e quem tem o ego grande nunca cede nas suas opiniões); etc.

Se o orgulho destrói, a humildade constrói. Busquemos sempre a virtude da humildade e assim serão muitas as “construções de amor” da nossa vida.

 
Pe. Paulo M. Ramalho
Sacerdote ordenado em 1993. Engenheiro Civil formado pela Escola Politécnica da USP, doutor em Filosofia pela Pontificia Università della Santa Croce, capelão do IICS - Instituto Internacional de Ciências Sociais. Atende direção espiritual na Igreja de São Gabriel em São Paulo.

O PODER DA AMIZADE

Olha até onde o poder da amizade em Deus pode chegar!!!

O Ponto máximo, ápice, que duas pessoas, ou um casal, podem chegar é a amizade, o máximo do amor recíproco. Essa amizade capaz de ressuscitar, é de compaixão, se compadece com a dor e a alegria do irmão.

Entre Bethânia (lugar de descanso de Jesus) e Jerusalém fica o Getsêmani, o lugar da caveira, do sofrimento. Jesus tinha acabado de viver o momento ápice, a Santa Ceia, “Desejei ardentemente comer esta páscoa convosco” (Lc 22,15) e de lá foi para o momento de maior sofrimento e agonia em Sua vida. Mesmo já tendo dado tantas provas de que gostava de orar ao Pai sozinho, Ele escolhe três amigos para estarem com Ele naquele momento.

A verdadeira experiência de amizade é de liberdade, Jesus é  livre de entre os onze escolher três amigos, aos quais queria se revelar de forma mais profunda, se desfigurar. Esses três amigos na desfiguração (cf. Mt 26,36-46) são os mesmos que estavam com Ele na transfiguração (cf. Mt 17,1-8). Só sabemos quem são nossos verdadeiros amigos quando permanecem conosco também nos momentos de sofrimento, mesmo que os amigos venham a dormir (cf. Mt 26,40) estão ali ao nosso lado.

Tem momentos em nossa vida que vamos ter que passar estando a sós com Deus, nestes momentos nem nossos amigos vão conseguir nos ajudar (dormem) e ai entrar o respeito um com o outro e a liberdade “vigiai e orai” (Mt 26,41) e depois “dormi agora e repousai” (Mt 26, 45). Por mais que seja sofrido, temos muitas vezes que passar por isso, é bom então ter os amigos por perto dizendo que “estamos juntos”, mas ao mesmo tempo um pouco distantes respeitando aquele momento em que se precisa de espaço, isso também é necessário, ai pode-se ficar em oração.

Não devo ficar escolhendo amigos, tenho que deixar Deus me dar os amigos, ficar aberto aos sinais que Ele vai me dando no dia-a-dia. “Amigo fiel é poderoso refúgio, quem o encontrou, encontrou um tesouro. Amigo fiel não tem preço, é um bem inestimável. Amigo fiel é um bálsamo de vida, os que temem o Senhor vão encontrá-lo. Quem teme o Senhor, conduz bem a sua amizade, como ele é, tal será o seu amigo.” (Eclo 6,14-17)

A verdadeira amizade nos leva para Deus!!!

Leandro Rafael e Guilherme
Missionários da Aliança de Misericórdia
JAM de Setembro 2011 – Casa IES