Atalho do Facebook

FICAMOS ALEGRES COM SUA VISITA

ESPERAMOS, QUE COM A GRAÇA SANTIFICANTE DO ESPIRITO SANTO, E COM O DERRAMAR DE SEU AMOR, POSSAMOS ATRAVÉS DESTE HUMILDE CANAL SER VEÍCULO DA PALAVRA E DO AMOR DE DEUS, NÃO IMPORTA SE ES GREGO, ROMANO OU JUDEU A NOSSA PEDRA FUNDAMENTAL CHAMA-SE CRISTO JESUS E TODOS SOMOS TIJOLOS PARA EDIFICACÃO DESTA IGREJA QUE FAZ O SEU EXODO PARA O CÉU. PAZ E BEM

AGRADECIMENTO

AGRADECEMOS AOS NOSSOS IRMÃOS E LEITORES, POR MAIS ESTE OBJETIVO ATINGIDO, É A PALAVRA DE CRISTO SEMEADA EM MILHARES DE CORAÇÕES. PAZ E BEM

quarta-feira, 1 de julho de 2009

OMISSÃO COM CARA DE MISSÃO

Todas as conseqüências que podemos imaginar a partir disso podem levar o nome de intolerância.

Jesus anda por outros caminhos da missão. Evangelizar para Jesus não é um processo de aculturação (ainda que seus valores nadem contra a maré do império do mal); não é uma tarefa para ajuntar adeptos em torno de si; missão para Jesus não é conceder um passaporte para o céu.

Em alguns casos Cristo age de maneira intrigante. Para o moço geraseno Cristo diz “não precisa me seguir, vai para a sua casa”. Aqueles que foram curados pelo Mestre ouviram dele “não conte a ninguém o que lhe aconteceu”. Ao encontrar pessoas tementes a Deus em outras “tribos religiosas” Cristo elogia a sua fé.

Missão para Cristo não é levar as pessoas ao céu, mas trazer o céu às pessoas! “O Reino dos céus está entre nós”. Levar as Boas Novas é conscientizar as pessoas do óbvio. Evangelizar é promover o Reino aqui e agora; é abrir os olhos dos homens para a realidade de que o Reino de Deus está disponível a todos, apenas um instante de estender as mãos. “O Reino é de vocês. Vivam, desfrutem, compartilhem!”

“O Reino dos céus está entre vós” é um discurso que Cristo repete com paixão. Para o Império Romano é uma afronta; para os religiosos é impossível, mas enche os olhos dos marginalizados e pecadores de esperança!

As boas novas de Cristo é que o Reino dos céus é uma realidade que pode ser vivida agora e ninguém precisa ficar de fora, todos podem entrar. Cristo vive como um agente do Reino espalhando misericórdia, justiça, inclusão, dignidade, pão, água, alegria. O Filho do Homem sinaliza o Divino numa terra seca de amor.

Fazer missão é cuidar da Terra como a nossa casa e cuidar dos seus moradores como nossos irmãos. E a vida de Cristo é o exemplo mais forte e inspirador. Cristo leva o seu discurso às últimas conseqüências; ao ponto de suscitar inimigos, traidores e algozes. Por ter sido um homem bom, Cristo foi levado à cruz – morreu pela causa.

A intenção de Cristo é salvar o homem para a lucidez, para a coragem e responsabilidade. Cristo quer libertar homens e mulheres que foram convencidos pela religião que são amaldiçoados por Deus por causa do pecado; Jesus quer livrar as pessoas de suas fantasias e infantilidades (que inclui as religiosas); Jesus quer inspirar o ser humano para uma ética da responsabilidade.

O Cristianismo, enquanto vida que se inspira em Cristo, tem uma mensagem revolucionária que olha para os pobres e oprimidos, uma mensagem utópica (a realidade pode ser outra!) com valores suficientes para vivermos uma vida boa!

Certamente os crentes farão mais diferença para a sociedade (e para o Reino!) se, ao invés do proselitismo e do olhar para o ser humano como um adepto em potencial (ou um ser de segunda catergoria!), viverem o Cristo que estende as tendas do Reino de Deus e melhora a Terra!

Alguém pode perguntar: “e quem vai para o céu depois da morte?”. Esta questão já foi resolvida no Calvário, “está consumado!”; Cristo morreu por todos e Deus em Cristo estava reconciliando consigo o mundo (2 Co 5.19). Quem sou eu para responder tal pergunta? O que está em suspenso é outra questão: quem vai desvelar o Reino de Deus hoje? Quem vai compartilhar do Reino dos Céus agora?

PEDIR É A REGRA DO REINO


Se não tem fé, não ore. Porquanto, Deus não ouve a oração do ímpio, mas tão somente faz saber uma terrível expectativa de juízo e um fogo consumidor (Hb. 10: 27).

Mas se orar, ore em nome de Jesus – a justificação daqueles que não puderam ser justificados pela Lei de Moisés (At. 13:39). Ore com fé – e, entregue o seu caminho ao Senhor; cofie nele, e ele agirá (Sl. 37:5). Ore com sinceridade – visto que o Senhor está perto de todos os que invocam (Sl. 145:18). Ore em justiça – a sua oração e esmola subirão como oferta memorável diante de Deus (At. 10:4). Ore com perseverança e misericórdia – clamando a Deus sem cessar (Sl. 86:3). Ore com humildade e paciência – pedindo conta do sangue derramado; Ele não ignora o bramido do oprimido (Sl. 9:12). Ore com firmeza e esperança – pois aquele que prometeu é fiel (Hb. 10:23).

A oração não depende de horário – à tarde, pela manhã e ao meio-dia, Deus sempre ouve a nossa voz (Sl. 55:17), Nem lugar determinado – de dentro do peixe Jonas orou ao Senhor (Jn. 2:1). Nem quanto à postura, que, pode ser – de pé (Ex. 33:10); curvado (Gn. 24:48); assentado (1Cr. 17:16); ajoelhado (2Cr. 6:13); deitado (Gn. 17:3); sempre haverá eficácia – portanto, todos os que são fiéis orem a Deus enquanto podes ser encontrado (Sl. 32:6). Em tudo que orar, que seja em declaração perante o Senhor (Dt. 26:5), mas dela nada ofereça aos mortos (Dt. 26:14). Quanto ao modo de fazê-la, não seja hipócrita (Mt. 6:5-6).

Qual o alvo da sua oração? Convicção de pecado? (Jó 13:23). Regeneração? (Sl. 51:2,7,10). Perdão? (Jó 7:21). Salvação? (Sl. 54:1). Conhecimento de designo divino? (Sl. 25:4-5). Obediência? (Sl. 119:5). Avivamento espiritual? (Sl. 80:3). Santificação? (Sl. 17:5). Benção para o alimento? (Lc. 9:16). Auxilio nos problemas? (Ex. 17:4). Libertação? (Sl. 3:7). Cura? (Sl. 13:3). Sucesso nos negócios? (Ne. 1:11). Proteção na velhice? (Sl. 71:9). Nisso então, invoque o nome do Senhor (Gn. 13:4). Implore ao Senhor (Dt. 3:23). Derrame tua alma diante do Senhor (1Sm. 1:12-16). Adorando-o (1Sm. 15:31). Busque a ajuda do Senhor (2Cr. 20:4).

Em petições ore pelas necessidades (Sl. 22:11). Pelas promessas de Deus (Gn. 32:12). Pela misericórdia de Deus (1Rs. 3:6-7). Pela glória de Deus (Dn. 9:17-19). Pela justiça de Deus (Gn. 18:23). Pela fé em Deus (Sl. 16:1). Pelas boas obras do passado (2Rs. 20:3). Pelas futuras boas obras (Sl. 119:8). De todo coração em obediência a Deus.
E, na ordenança intercessora, evite pecar contra o Senhor por omissão (1Sl. 12:23). Ore pelos indivíduos (Nm. 12:13). Por uma cidade (Gn. 19:18-22). Por líderes eclesiásticos (2Co. 1:11). Pelas famílias (1Cr. 29:19). Pelos pobres (Sl. 74:21). Pelos santos (Sl. 36:10). Abençoando alguém (Gn 47:10). Pelo perdão nacional (Ex.32:30). Pela vitória da igreja (Nm. 10:35-36). Pelo bem-estar da sociedade (Nm. 27:15-17). A favor dos pagãos (Sl. 74:20).

Contudo, existe ordem para amaldiçoar (Dt. 27:11-13). E, não amaldiçoar (Nm 22:12). Petição para maldições – sobre os opressores dos pobres (Sl. 10:2). Sobre os que pregam outro Evangelho (Gl. 1:8-9). Sobre os que não amam Cristo (1Co. 16:22).
Deus promete ouvir nossas orações. Mesmo que a resposta possa retardar, o cumprimento da promessa é garantido – “Antes de clamarem, eu responderei; ainda não estarão falando, e eu os ouvirei” (Is. 65:24). O Senhor é bom para com aqueles cuja esperança está nele, para com aqueles que o buscam (Lm. 3:25). Assim diz o Senhor: “Busquem-me e terão vida...” (Am. 5:4). “Farei o que me pede, porque tenho me agradado de você e o conheço pelo nome” (Ex. 33:17). Ó tu que ouves a oração, a ti virão todos os homens (Sl. 65:2).